078_AASLD_2016_port

É possível tratar a hepatite C em apenas 4 semanas? - AASLD 2016

28/11/2016

Após o congresso europeu escrevi que seria possível tratar a hepatite C em apenas oito semanas. Agora, com a mesma combinação de medicamentos foram apresentados dados preliminares que se confirmados poderiam reduzir o tempo do tratamento para somente quatro semanas.

Duas injeções de uma nova droga chamada RG-101, em combinação com um antiviral de ação direta (DAA), demonstraram curar a hepatite na maioria dos pacientes em somente 4 semanas de tratamento. Atualmente o tratamento padrão é de uma duração entre 8 e 24 semanas.

RG-101 é um tratamento na fase das pesquisas com o qual é aplicada uma injeção que visa especificamente a ação dos microNRA no fígado. Os microNRA são essenciais para que o vírus da hepatite C continue a replicar (ou permanecer ativo) no corpo de uma pessoa.

Foram incluídos 79 participantes no estudo infectados com os genótipos 1 e 4. A idade média dos participantes foi de cerca de 45 anos, e 54% dos participantes eram mulheres. Cada participante foi colocado em um dos três grupos de tratamento combinando o RG-101 com ledipasvir / sofosbuvir (grupo 1 com 27 pacientes), simeprevir (grupo 2 com 27 pacientes) ou daclatasvir (grupo 3 com 24 pacientes) e receberam esses medicamentos juntamente com uma injeção de 2 mg / kg de RG-101 nos dias 1 e 29 no estudo.

No início do estudo, a carga viral média foi de 638.000 UI / Ml. Setenta e sete por cento dos participantes tinha genótipo 1. Os efeitos colaterais foram mínimos e todos os participantes completaram as 4 semanas de tratamento.

Cem por cento dos participantes do grupo 1, 96% no grupo 2 e 92% no grupo 3 estavam indetectáveis após 12 semanas do final do tratamento. Após 24 semanas do tratamento, os dados de 29 pacientes estavam disponíveis para o que foi apresentado no AAASLD 2016. Entre esses pacientes, 100% no grupo 1, 80% no grupo 2 e 89% no grupo 3 estavam curados da hepatite C.

MEUS COMENTÁRIOS

ATENÇÃO: É necessário olhar os resultados com cautela, pois a maioria dos pacientes incluídos no estudo tinham fibrose na faze zero ou 1, sendo conhecido que esses são os infectados mais fáceis para curar a hepatite C.

EXPLICANDO: MicroRNAs (miRNAs) são pequenas RNAs moléculas transcritas a partir do genoma e permanecendo geralmente no núcleo da célula, onde exercem sua função principal de regulação da expressão gênica, capazes de regular a expressão de genes através da degradação ou repressão da tradução de moléculas-alvo de RNA mensageiro. MicroRNA-122 é o miR mais abundante no fígado e é essencial para a replicação do vírus da hepatite C.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
RG-101 in Combination with 4 Weeks of Oral Direct Acting Antiviral Therapy Achieves High SVR Rates in Treatment Naïve Genotype 1 and 4 Chronic Hepatitis C Patients - Gabor Horvath, George V. Papatheodoridis, Milotka J. Fabri, Ioannis Goulis, Spilios Manolakopoulos, Ioannis S. Elefsiniotis1, Klara Werling, Dragan Delic, Bela Hunyady, Zarko Rankovic, Tivadar Bányai, George N. Dalekos, Paul Grint, Jacqueline Blem, Ed Lombardi, Michael Huang - Abstract 111 - AASLD 2016


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO