087_EASL_2017_port

Hepatite B - Novas orientações da prática clínica da EASL - EASL 2017
(Protocolo - Consenso)

25/04/2017

A Associação Europeia para o estudo do Fígado (EASL) divulgou suas Diretrizes de Prática Clínica revisadas (CPGs) para tratamento da infecção pelo vírus da hepatite B (HBV). As CPGs, são destinadas para ajudar médicos e profissionais de saúde a otimizarem a gestão dos doentes com hepatite B aguda ou crônica.

Está é a primeira diretriz internacional de tratamento a incluir o novo antiviral tenofovir alafenamida (TAF), bem como as mais recentes evidências científicas sobre o tratamento antiviral em diferentes populações de pacientes em tratamento a longo prazo.

A infecção pelo vírus da hepatite B continua a ser um fardo global da saúde pública que devem incluir políticas de vacinação, diagnostico e tratamentos. Com a onda de imigração muitos países da Europa que praticamente não tinham problemas com hepatite B passaram agora a ter que enfrentar um problema que está crescendo desenfreadamente.

Todos os pacientes com hepatite B crônica estão em maior risco de progressão para cirrose e câncer de fígado. A velocidade com que essas condições possam aparecer dependem da situação clínica do paciente (o hospedeiro) de e fatores virais, já que existem diferentes genótipos do vírus da hepatite B e cada um apresenta características de agressão diferente ao fígado.

O principal objetivo do tratamento é melhorar a qualidade de vida, prevenindo a progressão da doença e, consequentemente, o desenvolvimento do câncer de fígado, suprimindo a longo prazo a replicação do vírus no organismo, sendo este o principal objetivo com o tratamento atual. O objetivo ideal do tratamento é a perda do HBsAg (um antígeno da superfície do vírus que indica que existe infecção ativa) e a perda do HBsAg seria assim o ponto final ótimo do tratamento.

As orientações atualizadas da EASL integram os últimos avanços científicos de diagnóstico e tratamento da hepatite B, proporcionando assim uma orientação clara para os médicos e pacientes para a gestão desta potencialmente fatal doença, com base em uma extensa revisão sistemática da literatura mais atual por um painel de líderes peritos globais.

As novas orientações informam como identificar:

- Novas definições das fases da doença que melhor guiarão os pacientes em tratamento.

- Indicações aumentadas para o início do tratamento, a fim de prevenir a transmissão de mãe para o filho com base nas evidencias científicas mais recentes.

- Recomendações claras para populações especiais de pacientes (por exemplo, crianças, infectados com manifestações de doença extra-hepática e, prevenção da reativação da hepatite B).

- Regras práticas para terapia guiada pela resposta em pacientes que recebem tratamento com interferon peguilado.

As novas orientações da prática clínica da EASL para hepatite B - EASL 2017 - são encontradas, em inglês, no "Journal of Hepatology" em http://www.journal-of-hepatology.eu/article/S0168-8278(17)30185-X/pdf ou na página em da EASL em https://www.easl.eu/medias/cpg/management-of-hepatitis-B-virus-infection/English-report.pdf

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Consenso de tratamento apresentado durante o EASL 20117.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO