094_hep_pernambuco_port

Futuro Próximo do Tratamento da Hepatite C - O que Podemos Esperar
Hepato Pernambuco 2017 (Dr. Mario Reis)

12/06/2017

Atualmente poucos pacientes não atingem resposta virológica sustentada. Até 5% dos casos não respondem ao tratamento com os medicamentos orais livres de interferon.

Ainda hoje há questões em aberto no tratamento da hepatite C:

- Em relação aos medicamentos (Qual a dose ideal de ribavirina?, Interações medicamentosas com outros medicamentos do paciente e, resposta terapêutica dos genéricos);

- Em relação ao regime de tratamento (Esquema ideal G3 ou G2 com ou sem ribavirina?, ribavirina nos casos difíceis de tratar?, ribavirina após o transplante?, ajuste nas dosagens e trocas de medicamentos de ação direta?, Tratamento em oito semanas?, medicamentos Pangenotípicos e, carga viral inicial);

- Relacionadas ao vírus (Resistência viral em pacientes nunca tratados, resistência viral dos não-respondedores, como interpretar e como manejar as resistências virais?);

- Relacionadas a doença hepática (Tratamento da hepatite aguda, tratamento dos cirróticos Child B/C e, retirada da lista de transplante pelo tratamento, tratamento pós transplante, regressão da fibrose, diabetes e câncer após tratamento).

Portanto, são muitas ainda as questões em aberto, algumas controversas entre pesquisadores e médicos. Afortunadamente novos medicamentos estarão resolvendo alguns desses problemas.

Se encontram em fases avançadas e deverão chegar em curto espaço de tempo:

Glecaprevir - pibrentasvir da Abbvie. Já em fase de registro no FDA dos Estados Unidos.

Sofosbuvir -/ velpatasvir / voxilaprevir da Gilead. Já em fase de registro no FDA dos Estados Unidos.

Odalasvir / simeprevir da Janssen. Estudos de fase III em andamento.

Ruzasvir / grazoprevir / uprifosbuvir da Merck (MSD). Estudos de fase II em andamento.

Mensagens para guardar:

- Novas geração de drogas está a caminho.

- Esquemas pangenotípicos e muito seguros.

- Úteis para resgatar falhas, evitar ribavirina e diminuir tempo de tratamento.

- Altas taxas de cura.

- Talvez possam popularizar o tratamento do da hepatite C.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Apresentação no Hepato Pernambuco 2017 do Dr. Mario Reis.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO