191_a_noticias_port

Qual poderá ser a duração do tratamento da hepatite C com os novos medicamentos?

05/08/2017

A todos interessam tratamentos de menor duração para tratar a hepatite C. Quanto mais curto o tratamento menor será o custo dos medicamentos e maior será a aderência dos pacientes aos tratamentos.

A economia que tratamentos de menor duração representam é o motivo pelo os quatro novos medicamentos com potencial de chegar ao mercado em curto ou médio prazo estão testando nos ensaios clínicos tratamentos de seis e oito semanas de duração. Medicamentos da Gilead da Abbvie e da Merck (MSD) já são confiáveis para tratar com sucesso pacientes sem cirrose, ou com cirrose inicial, em oito semanas, no entanto os resultados de tratamentos de seis semanas são decepcionantes.

O ideal seria se chegar a tratamentos de quatro semanas, quando então um frasco de 28 comprimidos seria suficiente, mas conseguir isso parece estar ainda longe de ser alcançado, mas aparentemente isso é impossível com os atuais medicamentos que se encontram nas fases finais dos ensaios clínicos.

Qualquer tipo de tratamento da hepatite C, para qualquer genótipo, com resposta terapêutica abaixo dos 90% é sub-otima e não deverá ser utilizado.

OS NOVOS MEDICAMENTOS QUE ESTÃO POR VIR

Glecaprevir / Pibrentasvir

Medicamento da Abbvie recentemente nos Estados Unidos e na Europa. É a combinação de duas drogas, Glecaprevir e Pibrentasvir em um só comprimido a ser tomado uma vez ao dia, o nome comercial será Maviret®.

O medicamento serve para todos os genótipos e nos ensaios clínicos apresentou taxas de resposta de 95% em tratamentos de oito semanas em pacientes nunca antes tratados, com ou sem cirrose.

No genótipo 3, com ou sem cirrose, e em pacientes com doença renal, em 12 semanas de tratamento a resposta ficou entre 93% e 100%. Em pacientes não respondedores a um tratamento anterior com medicamentos livres de interferon a resposta com 1 semanas de tratamento foi de 94%.

É necessário atentar que em alguns casos o número de pacientes incluídos nos ensaios clínicos foi pequeno.

Sofosbuvir / Velpatasvir / Voxilaprevir

Medicamento da Gilead recentemente aprovado nos Estados Unidos e na Europa (inicialmente para retratamento de não respondedores a tratamentos com medicamentos livres de interferon) . É a combinação de três drogas, Sofosbuvir, Velpatasvir e Voxilaprevir em um só comprimido a ser tomado uma vez ao dia, o nome comercial será Vosevi®.

A adição de um novo inibidor de protease NS3 / 4A ao sofosbuvir / velpatasvir resultou em taxas de cura de 98% dos pacientes com oito ou 12 semanas de tratamento (ensaios POLARIS). No entanto, esta nova terapia tripla, não foi testada adequadamente em pacientes com cirrose descompensada. Foi relatada uma leve perturbação gastrointestinal, incluindo náuseas e diarreia, mas não foram suficientemente graves para interromper o tratamento.

Uprifosbuvir / Grazoprevir / Ruzasvir

Os dados da Fase II sobre uma nova combinação tripla constituída por uprifosbuvir (anteriormente conhecido como MK-3682, grazoprevir (componente em Zepatier) e ruzasvir (anteriormente MK-8408) foram apresentados pela Merck.

Também conhecido como MK3, esta combinação diária de dose fixa foi estudada nos genótipos 1, 2 e 3 em durações de tratamento variando de oito semanas a 24 semanas. Os pacientes com genótipo 1 alcançaram a cura com uma taxa de 95% (84/88, genótipo 1a e genótipo 1b) com 8 semanas e 98% (45/46) com 12 semanas de tratamento.

O genotipo 2 teve resposta limitada a oito semanas de tratamento, com 86% (54/63) de cura. Os pacientes com genótipo 2 que receberam 12 semanas de MK3 apresentaram 97% (60/62) e 100% (26/26) de taxa de cura.

Finalmente, os pacientes com genótipo 3 responderam com 95% (98/103) de taxa de cura com 16 semanas de tratamento.

Em resumo, a duração do tratamento de pelo menos 8 semanas foi suficiente para atingir altas taxas de cura, com exceção dos pacientes com genótipo 2, que exigiram 12 semanas. Significativamente, nem a adição de ribavirina nem a presença de cirrose compensada impactaram os resultados do tratamento.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO