004_controversias_port

CONTROVÉRSIAS - TRATAMENTO DA HEPATITE B

25/10/2012

(Colocação de minhas observações pessoais consolidando aquilo que foi maioria ou consenso)


Painel: Fabien Zoulim (França) - Jörg Petersen (Alemanha)

Estado da arte e novas oportunidades

- Os tratamentos atuais para hepatite B controlam a doença, mas não conseguem erradicar o vírus, motivo pelo qual podemos falar em controle da hepatite B, mas ainda não podemos falar em cura da hepatite B.

- Praticamente não existem pesquisas em fase 3 de novos medicamentos.

- Eliminar o HBsAg e zerar a carga viral é o objetivo dos tratamentos atualmente disponíveis.

- Negativando o HBsAg a possibilidade de evoluir para o câncer de fígado é amplamente reduzida.

- O Entecavir e o Tenofovir são os medicamentos orais indicados para o tratamento.

- A fibrose regride com o tratamento, conseguindo-se uma redução mais acelerada nos pacientes tratados com Entecavir.

- Mas a redução da fibrose não afasta um possível aparecimento de câncer no fígado. O paciente deve ser monitorado pelo restante da vida.

- O tratamento com interferon peguilado consegue sucesso na eliminação do HBsAg em aproximadamente 25% (alguns estudos obtiveram 39%) dos tratamentos, mas é um tratamento pouco aceito pelos pacientes devido aos efeitos colaterais.

- Indivíduos que tiveram hepatite B e conseguiram a cura espontânea, mas que por alguma outra doença recebem tratamentos imunossupressores (quimioterapia, radioterapia, transplantes de órgãos, tomam rituximab, etc.) podem reativar a hepatite B, motivo pelo qual devem realizar exames trimestrais de carga viral para hepatite B durante todo o tempo que estiverem imunossuprimidos.

- A combinação do Entecavir e Tenofovir somente foi recomendada (com ressalvas) para pacientes não respondedores aos tratamentos e que se encontram com avançada doença hepática.

- É consenso geral que a maior carga viral existe maior possibilidade de progressão da doença e desenvolver câncer no fígado.

- Em geral a resistência aos medicamentos é resultante do monitoramento incorreto dos pacientes.

- Não existe consenso para avaliar qual medicamento é superior ao se comparar o Entecavir e o Tenofovir.

- A aderência do paciente ao tratamento, que pode durar anos, é o grande problema.

- A vacinação universal não somente é a melhor prevenção como é considerada como a única forma de eliminar a hepatite B do mundo no futuro.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Observações pessoais no "2nd World Congress on Controversies in the Management of Viral Hepatitis (C-Hep)" - Berlim, Alemanha - 18, 19 e 20 de outubro de 2012.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO