004_alcool_port

O efeito do cigarro na resposta ao tratamento da hepatite C

31/05/2006

M.Pp. Pauly; A. J. Sheinbaum; J. Szpakowski; J. B. Ready; R. S. Brown; B. Freilich; N. Afdhal; P. Kwo; J. Santoro; S. Becker; I. Jacobson; L. Griffel; C. Brass - Resumo S1923 - DDW 2006

Existem estudos que mostram que indivíduos infectados com a hepatite C que fumam, apresentam uma maior inflamação do fígado e graus de fibrose maiores que pacientes não fumantes. Este estudo apresentado no DDW de 2006 pesquisou se o cigarro tem alguma influencia na resposta ao tratamento da hepatite C.

Os dados foram obtidos do ensaio clinico randomizado e multicentro WIN-R, o que compreende 4.913 pacientes que receberam interferon peguilado alfa 2-b e ribavirina em diversas dosagens.

Do total de 4.223 pacientes selecionados em relação ao efeito do cigarro 2.859 eram fumantes (67,7%). Nestes pacientes foi observado quem conseguiu a resposta sustentada (estar negativo seis meses após o final do tratamento) e então divididos em fumantes e não fumantes para assim determinar a influencia do cigarro nos 2.859 que conseguiram a cura da hepatite C.

Deste total de pacientes curados, 893 (31,3%) eram fumantes e 1.66 (68,7%) não fumantes.

Não foram observadas diferenças na resposta sustentada nos pacientes infectados com o genótipo 1, onde 28,10% dos fumantes conseguiram a cura contra 28,87% dos não fumantes num dos grupos e de 31,15% contra 33,69 no segundo grupo de pacientes.

Já nos genótipos 2 e 3 a diferença na resposta sustentada foi elevada. Um dos grupos apresentou que 51,16% dos fumantes conseguiram a cura contra 62,46% dos não fumantes e num segundo grupo estudado foi obtida a cura de 56,68% dos pacientes fumantes contra 66,18 dos não fumantes.

MEU COMENTÁRIO

Fica evidente que o portador de hepatite C tem que ''colaborar'' com o tratamento, que não e somente fazer uso dos medicamentos, e assim como devemos respeitar os conselhos do medico e ter aderência ao tratamento respeitando dosagens e horários de uso dos medicamentos, devemos colaborar com nosso organismo em todos os sentidos, inclusive, conforme demonstra este estudo, evitando fumar durante todo o tratamento.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO