001_cancer_port

Hepatite C + álcool + tabagismo + obesidade + diabetes = câncer no fígado

20/05/2013

É conhecido que a obesidade, a diabetes, o consumo de álcool e o cigarro influenciam negativamente a progressão do dano hepático nos infectados com hepatite C, mas pouco se sabe sobre se esses fatores estão relacionados ao desenvolvimento do câncer no fígado.

Pesquisadores, entre os anos de 1990 e 2011, observaram 780 pacientes com câncer de fígado, 542 homens e 238 mulheres com idade média de 67,5 anos, sendo 172 com tumor em estagio 1, 284 com tumor em estagio 2, 237 com tumor em estagio 3 e, 82 com tumor em estagio 4. Pela classificação Child-Pugh, 564 pacientes eram Child-Pugh A, 202 Child-Pugh B e, 14 Child-Pugh C.

Os quatro fatores de risco para desenvolver câncer no fígado em infectados com hepatite C são os seguintes:

- Ingerir mais de 50 gr de álcool ao dia;

- Fumar mais de um pacote de cigarros ao dia;

- Obesidade, pessoas com massa corporal - IMC - acima de 30;

- Diabetes


Conheça por que é importante que os infectados com hepatite C aprendam a evitar ou diminuir por conta e responsabilidade própria a possibilidade de desenvolver o temido câncer no fígado. Os números assustam!

- Se o infectado com hepatite C se encontra em 1 dos fatores o risco de desenvolver câncer no fígado é 1,6 vezes maior em comparação com alguém que está fora dos 4 fatores;

- Já se o infectado com hepatite C se encontra dentro de 2 dos fatores, o risco de desenvolver câncer no fígado é 2,4 vezes maior em comparação com alguém que está fora dos 4 fatores;

- O risco é 2,9 vezes maior em comparação com alguém que está fora dos 4 fatores, se o infectado com hepatite C se encontra dentro de 3 fatores.

- Em pacientes cirróticos Child-Pugh A com estilo de vida que incluem 3 fatores, o risco de desenvolver câncer no fígado é 2,45 vezes maior em comparação com alguém que está fora dos 4 fatores;

- Em pacientes cirróticos Child-Pugh B ou C com estilo de vida que incluem 3 fatores, o risco de desenvolver câncer no fígado é 3,35 vezes maior em comparação com alguém que está fora dos 4 fatores.

Concluem os autores que o estilo de vida do infectado com hepatite C está relacionado com o desenvolvimento de câncer de fígado em idade mais jovem naqueles que levam um estilo de vida inadequado.

MEU COMENTÁRIO

Os resultados mostram que o infectado com hepatite C que leva um estilo de vida saudável prolonga a expectativa de vida ao diminuir a possibilidade do desenvolvimento do temido câncer no fígado.

Dos quatro fatores de risco três são perfeitamente evitáveis por ser de responsabilidade e atitude da própria pessoa e, a diabete pode ser controlada com tratamento.

Sabendo então que beber, fumar, estar obeso e não controlar a diabete pode acelerar a passagem para o mundo celeste você vai continuar insistindo em levar esse estilo de vida?

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
THE INCREASE IN POOR LIFESTYLE FACTORS IS A RISK FOR HEPATOCELLULAR CARCINOMA IN PATIENTS WITH HEPATITIS C VIRUS INFECTION - S. Oeda, Y. Eguchi, T. Kohira, S. Kamachi, N. Furukawa, T. Kuwashiro, S. Nakashita, S. Iwane, Y. Ide, Y. Kawaguchi, T. Noda, I. Ozaki, T. Mizuta, R. Iwakiri, K. Anzai - EASL 2013 - Abstract 664


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO