004_cirrose_port

Efeitos adversos graves durante o tratamento da hepatite C em pacientes cirróticos

22/04/2013

Uma revisão de todos os artigos publicados até o ano de 2011 nas revistas PubMed, Medline, Lilacs, Scopus, Ovid, EMBASE, Cochrane e Medscap com dados de pacientes cirróticos em tratamento da hepatite C com interferon peguilado e ribavirina permitiu conhecer os principais efeitos adversos graves que podem acontecer em infectados com os genotipos 1 e 4 em tratamento de 48 semanas e os infectados com os genotipos 2 e 3 em tratamento de 24 semanas.

Na pesquisa da literatura foram incluídos 17 artigos incluindo no total 1.133 pacientes. O tratamento é interrompido por efeitos adversos graves em 14,5% dos pacientes.

Considerando somente os pacientes cirróticos que interromperam o tratamento, as causas foram as seguintes:

- 23,2% das interrupções aconteceram por culpa de trombocitopenia grave e ou neutropenia. (Trombocitopenia é a redução do número de plaquetas e Neutropenia é a diminuição no número de neutrofilos, que quando inferior a 1.500/mm³ coloca o paciente em perigo de contrair infecções).

- 15,5% das interrupções aconteceram por transtornos psiquiátricos.

- 12,1% das interrupções foram ocasionadas por descompensação da cirrose.

- 11,2% das interrupções aconteceram por quadros graves de anemia.

Uma analise geral mostra que 11,4% dos pacientes com cirrose Child-Pugh classe A interromperam o tratamento, contra 22% de cirróticos com Child-Pugh classes B ou C.

Não foram encontradas diferenças estatisticamente significantes no percentual de interrupções em relação ao tipo de interferon peguilado utilizado, PegIFN alfa 2ª (14,2%) e aqueles tratados com PegIFN alfa 2b (13,7%).

A resposta sustentada, considerada a cura da hepatite C, foi obtida no total por 37% dos pacientes cirróticos tratados, mas entre os infectados com os genotipos 2 e 3 a cura aconteceu em 56,5% dos pacientes e, nos infectados com os genotipos 1 e 4 a cura foi menor, de 20,5%.

MEU COMENTÁRIO

Fica comprovado que aguardar o agravamento do infectado para realizar o tratamento da hepatite C é uma das piores decisões que podem ser tomadas.

Quando se comprova que um infectado com o genótipo 1 com cirrose tem somente 20,5% de possibilidade de cura se tratado com interferon peguilado e ribavirina e comparamos essa possibilidade com alguém que se encontra com fibrose F2, quando a possibilidade de cura é de aproximadamente 43% com o mesmo tratamento, não consigo entender porque aguardar para indicar o tratamento.

Inclusive para o sistema publico de saúde o custo de tratar um cirrótico é maior pelas complicações que a evolução da doença ocasiona, com maior número de consultas, exames e internações e, em relação a fármaco economia com o gasto do tratamento somente se consegue curar a metade dos pacientes. Lamentavelmente o governo acha que somente deve oferecer tratamentos aos casos mais avançados da doença.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Severe adverse events during antiviral therapy in hepatitis C virus cirrhotic patients: A systematic review - Simona Bota, Ioan Sporea, Roxana ?irli, Alina Popescu, Adriana Maria Neghin?, Mirela D?nil? and Mihnea Str?in - World J Hepatol. 2013 March 27; 5(3): 120-126.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO