011_cirrose_port

O cuidado da dor para pacientes com cirrose

21/06/2010

Na edição de maio do mês de Maio da revista Mayo Clinic Proceedings, os pesquisadores examinam as práticas atuais para o manejo da dor em pacientes cirróticos. Os pesquisadores revisaram toda a literatura atual disponível no PubMed e MEDLINE sem limites na busca objetivando encontrar uma guia uniforme e prática para tratar a dor nos pacientes cirróticos.

A cirrose é um problema de saúde pública importante, representa aproximadamente 770.000 mortes ao ano e, afeta entre 4,5% e 9,5% da população mundial. "O manejo da dor em pacientes com cirrose é uma provocação difícil para os profissionais clínicos de atenção à saúde, e poucos estudos prospectivos ofereceram um enfoque apoiado na evidência", diz o Dr. Kymberly Watt do Departamento da Gastroenterologia e Hepatologia da Clínica Mayo.

Não há diretrizes apoiadas em provas científicas existentes sobre o uso de analgésicos em pacientes com doença hepática e cirrose, diz o Dr. Watt. De seus achados na literatura atual, sua recomendação para o uso do acetaminofeno (paracetamol) a longo prazo em pacientes cirróticos (que não consomem álcool) está em reduzir a dose para 2 a 3 gramas por dia. Para o uso a curto prazo ou de uma só vez a dose não deve exceder de 4 gramas por dia, mas o projeto de diretrizes da FDA (ainda por finalizar) pode recomendar uma dose máxima diária de 2,6 gramas ao dia para qualquer pessoa.

Além disso, o artigo de revisão estabelece que os NSAIDs (antiinflamatórios não esteróides) e os opiáceos se podem utilizar em pacientes com doença hepática crônica sem cirrose. "Os NSAIDs devem evitar-se em pessoas que têm cirrose compensada e descompensada, sobre tudo devido ao risco de insuficiência renal aguda devido à inibição de prostaglandinas," diz o Dr. Watt.

"Quando for apropriado, os anticonvulsivos e os antidepressivos são opções dignas de exploração no manejo de dor crônica neuropática em pacientes com doença hepática avançada. Um rígido acompanhamento quanto à toxicidade, efeitos adversos e complicações é necessário", adiciona o Dr. Watt.

"Em pacientes com doença hepática em fase final, os eventos adversos dos analgésicos são freqüentes e potencialmente mortais. Esta análise ressalta a falta de estudos prospectivos que avaliaram a segurança de vários analgésicos em pacientes com disfunção hepática, "diz o Dr. Watt.

A revista "Mayo Clinic Proceedings" publica artigos originais e revisões sobre temas de investigação clínica e medicina de laboratório, clínica, pesquisa em ciências básicas e epidemiologia clínica. Mayo Clinic Proceedings é uma publicação mensal da Fundação Mayo para a Educação Médica e Investigação como parte de seu compromisso com a educação médica. A revista se publicou durante mais de 80 anos e tem uma circulação de 130.000 exemplares. Os artigos estão disponíveis em linha em http://www.mayoclinicproceedings.com

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Pain Management in the Cirrhotic Patient: The Clinical Challenge - Natasha Chandok and Kymberly D. S. Watt - Mayo Clin Proc. May 2010 85(5):451-458; published March 31, 2010, doi:10.4065/mcp.2009.0534


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO