004_crianca_port

EASL 2010 - Tratamento da hepatite C nas crianças

10/05/2010

Quando o assunto são as crianças infectadas o debate é intenso, pois até o momento a experiência no tratamento ainda e pequena. Durante o EASL 2010 um grupo do Egito realizou uma apresentação sobre o tratamento da hepatite C em crianças analisando os resultados das diversas publicações da literatura cientifica.

O resultado da comparação das 10 publicações consideradas de maior relevância apresentou os resultados obtidos no tratamento de crianças com idade inferior aos 18 anos de idade. Não foi possível realizar uma meta analises já que maioria dos estudos não foi na modalidade controlada.

Os tratamentos realizados utilizaram interferon convencional com ou sem ribavirina (grupo A) ou o interferon peguilado com ou sem ribavirina (grupo B). No total os estudos incluíram 248 pacientes entre 2 e 17 anos de idade no grupo A tratado com interferon convencional com ou sem ribavirina e 115 pacientes no grupo B tratados com interferon peguilado com ou sem ribavirina. Os dois grupos apresentavam uma distribuição similar dos genótipos, do dano no fígado e da duração da infecção.

Os resultados encontrados com os diversos tratamentos foram os seguintes:

- O grupo de crianças do grupo A que foram tratados com interferon convencional com ou sem ribavirina obteve a cura de 47% delas, já no grupo B, tratados com interferon peguilado com ou sem ribavirina obteve a cura de 52% delas, uma diferença estatisticamente insignificante.

- Ao consolidar os dados totais dos diferentes esquemas terapêuticos foi encontrado que o tratamento em monoterapia (sem ribavirina) obteve 40% de cura. A combinação de interferon convencional e ribavirina 50% e, a combinação de interferon peguilado e ribavirina 53,5%.

- As crianças tratadas com interferon peguilado apresentaram maiores efeitos colaterais e adversos que as crianças tratadas com o interferon convencional. Sintomas de gripe aconteceram em 70% do grupo A contra 97% do grupo B; perda de peso aconteceu em 23% do grupo A contra 36% do grupo B; leucopenia (redução dos glóbulos brancos) em 20% do grupo A contra 61% do grupo B e, a trombocitopenia (baixa na contagem das plaquetas) em 0% (zero) do grupo A contra 13% do grupo B

Concluiu o analise estatístico que as crianças infectadas com hepatite C deveriam realizar o tratamento já que apresentam resposta terapêutica similar aos adultos, esclarecendo que as colocações não são resultado de estudos controlados.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Abstract: 254 - Management of chronic hepatitis C in children: a continuous debate - Journal of Hepatology, Supplement No 1, Volume 52, 2010, Page S107 - A. El Sherbini - Research Unit, Tanta Fevers' Hospital, Tanta, Egypt


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO