018_cura_port

Após a cura da hepatite C a reinfecção é variável conforme ao grupo de risco do paciente

23/03/2015

A possibilidade de aparecer novamente a infecção da hepatite C em pacientes que obtiveram a cura difere conforme o grupo de risco a que pertence o paciente, de acordo com uma meta-analise apresentada no "CROI - 2015 Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections" que aconteceu semana passada nos Estados Unidos.

Estudos mostram que até 20% das pessoas co-infectadas com HIV (AIDS) voltam a ser positivas para hepatite C após a cura, contra 1% em pessoas sem fatores de risco para uma nova infecção.

Os autores da meta-analise acreditam que essas grandes diferenças apontam na possibilidade de reinfecção e não uma recidiva do vírus.

A analise foi realizada dividindo os pacientes em três grupos de acordo com o risco de infecção pela hepatite C, considerando os de baixo risco (pessoas mono infectadas sem fatores de risco para reinfecção), de alto risco (usuários de drogas injetáveis e pessoas privadas da liberdade) e as pessoas co-infectadas com HIV (AIDS).

A cura da hepatite C com o tratamento foi comprovada seis meses após o final do tratamento e a reinfecção foi definida como a presença do vírus seis meses após a cura.

Foram analisadas 66 publicações científicas que incluíam 11.000 pacientes. A maioria foi tratada com interferon peguilado e ribavirina.

Em 43 publicações com 9.419 pessoas mono infectadas, curadas da hepatite C e com baixo risco de infecção, seguidas durante mais de 4 anos, 87 deles experimentaram a recorrência do vírus, uma incidência de somente 0,23% e, após 5 anos da cura a taxa era de 1%.

Em 16 estudos com 819 pessoas de alto risco, acompanhados durante e após a cura, foi encontrada uma incidência após 5 anos da cura de 13%.

Em 7 estudos envolvendo 833 pacientes coinfectados com o HIV (AIDS) houve 123 casos de recorrência do vírus, com uma incidência após 5 anos da cura de 22%.

Devido às grandes diferenças nos resultados entre os grupos de risco, os autores concluíram que a maioria das recorrências da hepatite C após a cura com o tratamento é, provavelmente, devido um risco permanente de reinfecção e não pela recidiva do próprio vírus.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
A Hill, B Simmons, J Saleen, and G Cook. Risk of Late Relapse or Re-infection with Hepatitis C after Sustained Virological Response: Meta-analysis of 66 Studies in 11,071 Patients. 2015 Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections. Seattle, February 23-24, 2015. Abstract 654.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO