025_cura_port

Porque entre 5% e 10% não conseguem sucesso com o tratamento da hepatite C com os novos medicamentos?

03/04/2016

Apesar da probabilidade de sucesso no tratamento da hepatite C com os novos medicamentos de ação direta, livres de interferon ser grande, na vida real se observa que entre 5% e 10% dos pacientes acabam perdendo o tratamento porque o vírus se torna resistente aos novos medicamentos.

Isso é devido a mutações na estrutura do vírus as quais conduzem de forma independente a causar impacto no tratamento e a posterior recaída (recidiva) do vírus.

Durante a "23rd Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections" que aconteceu em Boston no mês de fevereiro foi apresentado um estudo que auxilia na compreensão do porquê acontece essa resistência viral.

O estudo francês analisou a resistência do vírus da hepatite C no tratamento da hepatite C em diferentes genótipos do vírus da hepatite C na vida real, incluindo 177 pacientes tratados na vida real. O tratamento foi de 12 semanas, 44% já se encontravam com cirrose e 60% eram não respondedores a um tratamento anterior. O sequenciamento dos genes NS5A e NS5B foi realizado em todos os pacientes antes de iniciar o tratamento e um novo sequenciamento em oito pacientes que não obtiveram a cura.

Tentar explicar a sopa de letras das diversas resistências encontradas em cada genótipo e frações do vírus é impossível em um texto destinado ao público em geral, mas é curioso que as resistências encontradas são similares em pacientes com ou sem cirrose.

O estudo abre portas aos pesquisadores para modificações nos medicamentos objetivando que as resistências virais encontradas nesses setores do vírus sejam superadas.

IMPORTANTE: O estudo apresentado foi sobre o sofosbuvir e o daclatasvir, mas todos os novos medicamentos: sofosbuvir, daclatasvir, simeprevir, ledipasvir, ABT-450, ritonavir, ombitasvir e dasabuvir podem apresentar resistência viral.

Pacientes que perdem o tratamento por terem resistência viral podem ser retratados utilizando outros dos novos medicamentos. Este estudo, que se aplica a todos os medicamentos disponíveis, ajuda os pmádicos a determinar com segurança qual medicamento deve ser utilizado para o retratamento.

MEU COMENTÁRIO:

Cabe destacar que apesar do estudo parecer alarmante, dos 177 pacientes somente 8 não conseguiram a cura, isto é, 95,5% estão curados da hepatite C.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Fourati S et al.: HCV Resistance to Daclatasvir/Sofosbuvir Across Different Genotypes in the Real Life. 23rd Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections, February 22-25, 2016, Boston; abstract 577


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO