013_diagnostico_port

Testes de Função Hepática

24/04/2006

Os testes de função hepática são realizados para auxiliar o médico no diagnostico do paciente que sofre de doenças que atacam o fígado. Entre os mais importantes temos:

Fosfatase alcalina

Tem como objetivo avaliar se existe alguma obstrução do ducto biliar, ou danos no fígado a até alguma suspeita de câncer.

A Fosfatasse alcalina é uma enzima produzida pelo fígado, pelos ossos e pela placenta e que é liberada na corrente sangüínea durante uma lesão ou durante atividades normais como o crescimento ósseo ou a gravidez.

Alanina transaminase (ALT - TGP)

É a transaminase mais especifica para medir a produção de enzimas no fígado. É uma enzima produzida pelo fígado que é liberada na corrente sangüínea quando ocorre lesão de células hepáticas.

Aspartato transaminase (AST - TGO)

Esta transaminase é produzida por outros órgãos alem do fígado sendo liberada na corrente sangüínea quando ocorre uma lesão hepática, cardíaca, muscular ou cerebral.

Bilirrubina

É utilizada para se observar se existe obstrução do fluxo da bile, lesão hepática, destruição excessiva de eritrócitos (a partir dos quais a bilirrubina é formada). É um componente do suco digestivo (bile) produzido pelo fígado.

Gamaglutamil transpeptidase (GGT)

É uma enzima produzida pelo fígado, pelo pâncreas e pelos rins e que é liberada na corrente sangüínea quando esses órgãos estão sendo danificados. Serve para se saber se existe alguma lesão orgânica, intoxicação por drogas e ou medicamentos, abuso de álcool ou doenças do pâncreas.

Albumina

É uma proteína produzida pelo fígado e normalmente liberada no sangue que serve para avaliar a existência de lesões no fígado. Uma das funções da albumina é reter líquido no interior dos vasos sangüíneos.

Alfafetoproteina

É um exame utilizado para detectar uma hepatite grave ou um câncer no fígado ou nos testículos.

Tempo de protrombina

É o tempo necessário para que o sangue coagule indicando lesões hepáticas ou deficiência da absorção de vitamina K causada por uma carência de bile.

Anticorpos mitocondriais

É utilizada para se avaliar a cirrose biliar primária e certas doenças auto-imunes

5'-nucleotidase

É uma enzima presente apenas no fígado e liberada na corrente sangüínea quando ele é danificado mostrando uma obstrução do ducto biliar ou comprometimento do fluxo biliar.

Ultra-sonografia

Utilizando a ultra-sonografia, o médico pode detectar imediatamente a presença de cálculos na vesícula biliar. A ultra-sonografia distingue facilmente a icterícia causada por uma obstrução do ducto biliar daquela causada pela disfunção celular hepática. O médico também pode utilizar a ultra-sonografia como guia durante a realização de biópsia com agulha.

Ultra-sonografia com Doppler


A ultra-sonografia com Doppler vascular, pode ser utilizada para mostrar a circulação nos vasos sangüíneos hepáticos.

Cintilografia

A cintilografia com radionuclídeos (radioisótopos) utiliza uma substância contendo um marcador radioativo que é injetado no corpo e captado por um determinado órgão. A radioatividade é detectada por uma câmara de raios gama conectada a um computador, o qual então gera uma imagem. A cintilografia hepática é um tipo de exame que utiliza radionuclídeos que são absorvidos pelos hepatócitos (células do fígado).

A cintilografia das vias biliares é um outro tipo de exame que utiliza radionuclídeos que são excretados pelo fígado no interior das vias biliares. Ela é utilizada para detectar a inflamação aguda da vesícula biliar (colecistite).

Tomografia computadorizada

A tomografia computadorizada (TC) pode fornecer imagens excelentes do fígado e é particularmente útil na detecção de tumores. Ela consegue detectar distúrbios difusos (p.ex., fígado gorduroso) e tecido hepático com densidade anormal devida à hemocromatose (depósito excessivo de ferro). No entanto, como a TC utiliza raios X e é cara, ela não é tão amplamente utilizada quanto a ultra-sonografia.

Ressonância magnética

A ressonância magnética (RM) fornece imagens excelentes, semelhantes as geradas pela Tomografia. No entanto, a RM apresenta algumas desvantagens: ela é mais cara que a TC, é mais demorada que os outros métodos de diagnostico por imagem e o paciente deve permanecer deitado no interior de uma câmara estreita, o que pode fazer com que alguns indivíduos apresentem claustrofobia.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO