004_dietas_port

Antioxidantes - Nozes são uma excelente opção

28/03/2011

Entre todos os frutos secos as nozes possuem as maiores concentrações de antioxidantes benéficos para o ser humano. Um estudo científico apresentado no congresso do American Chemical Society comprovou que as nozes têm uma combinação de antioxidantes mais saudáveis e de maior qualidade de antioxidantes que qualquer outra castanha.

Um punhado de nozes contém quase duas vezes mais antioxidantes que uma quantidade equivalente de amêndoas, amendoins, pistaches, avelãs, castanhas do Brasil, castanha de caju, macadâmia, e nozes pecam.

As nozes contêm muitas proteínas de alta qualidade que podem substituir em parte a carne, vitaminas e minerais, fibras dos alimentos e, ainda, não contem glúten nem leite. Pesquisas anteriores mostravam que o consumo regular de pequenas quantidades de nozes ou amendoim diminui o risco de doenças do coração, certos tipos de câncer, cálculos biliares, diabetes tipo 2 e outros problemas de saúde.

Pela primeira vez foi avaliada a quantidade e qualidade que proporcionam os frutos secos, ficando as nozes com as mais altas concentrações de antioxidantes. Os antioxidantes encontrados nas nozes são até 15 vezes mais potentes que os existentes na vitamina E. A vitamina E é geralmente citada como potente antioxidante para combater os radicais livres.

As nozes possuem elevadas calorias, o que poderia provocar um aumento de peso se consumidas em excesso, mas como o consumo de nozes provoca sensação de satisfação às pessoas ficam menos propensas a comer demais. Em um estudo realizado nos Estados Unidos em 2009, o consumo de nozes foi associado com um risco significativamente menor de ganho de peso e obesidade.

As nozes contém gorduras, mas são gorduras poliinsaturadas o monoinsaturadas, consideradas as boas gorduras para o organismo.

Mas apesar de todos os benefícios o consumo de nozes não deve ser exagerado. A recomendação diária é de consumir até sete nozes por dia para obter os benefícios dos antioxidantes no combate aos radicais livres.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
http://portal.acs.org/portal/acs/corg/content?_nfpb=true&_pageLabel=PP_ARTICLEMAIN&node_id=222&content_id=CNBP_026930&use_sec=true&sec_url_var=region1&__uuid=d6889bb5-8916-4646-8229-c739ec0a2740


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO