003_doen_relac_port

Curiosidade ou preocupação? A hepatite C está associada com o aparecimento da arteriosclerose mais cedo

03/08/2010

Acaba de ser publicado na GUT um estudo que associa o aparecimento da arteriosclerose em idades mais cedo da vida se o individuo está infectado com hepatite C. Já era conhecido que pessoas com hepatite C apresentam maior possibilidade de desenvolver distúrbios metabólicos podendo desenvolver esteatose (depósitos de gordura no fígado), gordura adiposa e diabetes, o que coloca os infectados com hepatite C que desenvolvem uma dessas condições em maior risco de problemas cardiovasculares.

Os pesquisadores incluíram 1.200 indivíduos residentes em Egito, todos com idade superior aos 35 anos. Entre eles 329 estavam infectados com hepatite C, 173 estavam curados da hepatite C e 795 não possuíam hepatite C. Aceitaram realizar uma ultrassonografia 192 pacientes infectados com a hepatite C, 115 dos já curados e 187 dos participantes sem hepatite C.

Foi medido o nível de glicemia em jejum para determinar a diabetes, os níveis dos lipídios (colesterol) e a deposição de gordura nos tecidos mediante métodos de ultrassom, calculando o diâmetro das paredes internas das artérias da carótida que irrigam o cérebro para avaliar o comprometimento pela arteriosclerose.

Em relação à diabete ficou confirmado tal quais outros estudos que ela é encontrada em maior grau entre os pacientes com hepatite C ativa e menor entre os que curam da doença.

A gordura visceral (nos tecidos) também foi encontrada em maior grau entre os infectados que na população não infectada.

O colesterol LDL (o bom colesterol) foi encontrado em nível mais baixo entre os infectados com hepatite C, mas em níveis similares ao da população sem hepatite C entre os pacientes que conseguiram a cura da doença.

Poucas diferenças foram encontradas na avaliação da arteriosclerose entre os três grupos, mas ao se ajustar os fatores tradicionais de risco cardiovascular o nível de risco (IMT) foi maior nas pessoas infectadas com hepatite C

Concluem os pesquisadores que a cura da hepatite C leva a normalização do colesterol, porém os níveis de glicose no sangue e a acumulação de gordura nos tecidos apresentam uma melhoria pouco significante com a cura da hepatite C.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Hepatitis C infection and clearance: impact on atherosclerosis and cardiometabolic risk factors - A Mostafa, MK Mohamed, M Saeed, and others. - Gut 2010;59:1135-1140 doi:10.1136/gut.2009.202317 - Volume 59, Issue 8


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO