019_epidemi_port

O custo de não tratar a hepatite C nas fases iniciais

20/07/2015

A progressão dos danos causados pela hepatite não é linear.

A progressão dos danos causados pela hepatite não é linear. Recente estudo do Departamento de Veteranos dos Estados Unidos demonstra que as taxas de progressão da fibrose podem ser muito mais aceleradas do que se pensava anteriormente.

O verdadeiro custo de atrasar o tratamento da hepatite C não é bem compreendido. A decisão de adiar o tratamento de infectados com moderado ou mínimo dano hepático corre o risco de permitir que alguns infectados progridam rapidamente para a cirrose ou o câncer de fígado, aumentando o risco de futura descompensação hepática.

Os diversos estudos de fármaco-economia que consideram os benefícios alcançados com o tratamento geralmente não incluem os eventos clínicos relacionados ao fígado, subestimando o verdadeiro ônus causado pela hepatite C.

A hepatite C é uma condição sistêmica, sendo fortemente associada com diabetes, doença cardiovascular, distúrbios psiquiátricos, disfunção renal e condições reumatológicas. Portanto, qualquer avaliação de relação custo-eficácia com o tratamento da hepatite C deverá levar em consideração os custos destas complicações extra hepáticas.

Também não se deve ignorar que o tratamento da hepatite C melhora os resultados subjetivos do paciente, incluindo a fadiga e a depressão, melhorando a sua capacidade produtiva e em consequência a sua qualidade de vida.

MEU COMENTÁRIO

É necessário lutar para que o preço dos medicamentos permita tratar todos os infectados.

Assim aconteceu no HIV/AIDS, primeiro o infectado tinha que perder imunidade chegando a uma contagem de 500 CD4, depois se passou a oferecer tratamento a quem chegasse a 350 CD4 e hoje em muitos países, Brasil inclusive, todos os diagnosticados passam a receber tratamento no mesmo dia, independente do estagio da doença. Isso só foi possível com a redução do custo do tratamento que era de sete mil dólares anuais e agora passou para trezentos dólares anuais.

Chegaremos lá nas hepatites? Acredito que sim, e mais rápido do que possa se imaginar.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
The new HCV bottleneck: can delaying therapy be justified? - Tracey G. Simon, MD - Raymond T. Chung, MD - Hepatology - doi: 10.1002/hep.27931


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO