001_fibrose_port

Calculando facilmente o grau de fibrose - Índice APRI

27/12/2010

Somente por meio da realização de uma biopsia do fígado é possível se conhecer com segurança o real estado do fígado, mas a biopsia é um procedimento invasivo do qual muitos pacientes tem verdadeiro pavor.

Existem métodos não invasivos, mas todos eles têm o defeito de não serem totalmente seguros no resultado obtido. Em geral os métodos não invasivos são assertivos quando existe pouca ou nenhuma fibrose ou, quando existe uma fibrose muito avançada ou cirrose, mas o resultado fica comprometido nos casos de fibrose moderada. Isto é, se na escala METAVIR que indica os níveis de fibrose pela letra F, onde cada número corresponde ao grau de fibrose, assim, F0 e F1 indicam um fígado em bom estado, F3 e F4 indicam um dano considerável e F2 um quadro moderado de fibrose.

Um dos métodos mais simples e fáceis para se calcular o nível de fibrose é o APRI, o qual considera o resultado do nível da transaminases TGO (ou AST) e o número de plaquetas. O resultado da transaminases AST/TGO deve ser dividido pelo valor de referencia (máximo) que aparece no resultado do exame. O resultado da divisão é então dividido pelo número de plaquetas e depois esse novo resultado é multiplicado por 100.

Pronto! Se o resultado do APRI é inferior a 0,5 muito provavelmente não existe fibrose (F0) ou existe um mínimo de fibrose (F1). Mas se o resultado do calculo APRI for superior a 1,5 o resultado não é bom, já que indica que pode existir uma fibrose avançada (F3) ou até cirrose (F4). Um resultado entre 0,5 e 1,5 não consegue identificar se existe qualquer grau de fibrose ou cirrose.

Veja alguns exemplos de como o calculo é realizado:

Tendo um resultado da transaminase TGO/AST de 33 obtido por um resultado de laboratório que mostra um índice de referência máximo de 40, devemos fazer o seguinte calculo:

33 dividido por 40 = 0,825

Então 0,825 é dividido pelo número de plaquetas mostradas no hemograma, por exemplo, 200, o que vai dar um resultado de 0,004125. Finalmente devemos multiplicar este número por 100, obtendo então um resultado final de 0,41 o que mostra que muito provavelmente não existe nenhuma fibrose significativa.

Outro exemplo:


Tendo um resultado da transaminase TGO/AST de 115 obtido por um laboratório que mostra um índice de referência máximo de 40, devemos fazer o seguinte calculo:

115 dividido 40 = 2,875

Então 2,875 é dividido pelo número de plaquetas mostradas no hemograma, por exemplo, 150, o que vai dar um resultado de 0,01916. Finalmente devemos multiplicar este número por 100, obtendo então um resultado final de 1,91 mostrando que provavelmente o fígado apresente uma fibrose mais significativa ou até uma cirrose.

ATENÇÃO:

O resultado do valor da transaminase ALT/TGO pode sofrer variações por vários motivos, por isso não deve se utilizar como valor correto o último dos resultados, sendo recomendável realizar a média de três resultados, com intervalos superiores de trinta dias entre eles.

IMPORTANTE:

Em nenhuma situação o calculo APRI pode substituir a biopsia como conduta diagnostica, servindo somente como mais um instrumento para a estratégia clínica a ser seguida pelo profissional que atende o paciente.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO