002_fibrose_port

A menor nível de vitamina D maior fibrose no fígado

01/07/2013

A questão-chave em pacientes com hepatite C é a progressão da fibrose hepática em consequência dos danos nos tecidos do fígado causados por uma infecção viral, com o desenvolvimento de cirrose e suas complicações.

Vários fatores de risco já são bem conhecidos para acelerar a progressão da fibrose os quais incluem a necro inflamação do fígado, a maior idade do paciente, o consumo de álcool, o tempo passado desde que aconteceu a infecção, as co-infecções que possam existir, alterações metabólicas, esteatose, a resistência à insulina, e a menopausa, todos eles afetam o grau de fibrose hepática.

Neste jogo complexo e interessante entre fígado e fatores metabólicos, cada vez existem mais evidências que sugerem também um papel importante da vitamina D sobre a gravidade da doença hepática em pacientes com hepatite C.

Estudo realizado na Itália em 260 infectados com o genótipo 1 confirma pesquisas anteriores que mostram que a vitamina D exerce um efeito protetor, inibindo a proliferação de células estreladas e sua ativação profibrogenica.

Concluem os pesquisadores que a vitamina D tem, por tanto, um papel relevante em pacientes infectados com hepatite C, e seu metabolismo é regulado por vários fatores ambientais, em particular pela ação direta da luz do sol.

MEU COMENTÁRIO

Posso parecer obsessivo, mas sempre insisto na importância da vitamina D no metabolismo do organismo. Não somente em infectados com as hepatites B e C, mas também em transplantados, pacientes com câncer, diabéticos, doenças autoimunes e muitas outras, pois esta mais que comprovado que pessoas com essas doenças que tenham níveis baixos de vitamina D apresentam maior aceleração na progressão da doença e menor possibilidade de cura com os tratamentos.

O teste que mede a vitamina D é chamada de 25-hidroxi-vitamina D e atualmente se recomenda como mínimo um nível de 32 mcg / L

Muitos alimentos, em especial a leite e seus derivados são excelentes fontes de vitamina D. Existem também suplementos orais, mas para que a vitamina D seja metabolizada pelo organismo é necessário que a pessoa tome sol, entre 15 e 30 minutos do sol mais forte, entre as 10.00 e 15 horas do dia, sem protetor solar.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Association of Vitamin D Serum Levels and Its Common Genetic Determinants, With Severity of Liver Fibrosis in Genotype 1 Chronic Hepatitis C Patients - S. Petta, S. Grimaudo, V. D. Marco, C. Scazzone, F. S. Macaluso, C. Cammà, D. Cabibi, R. Pipitone, A. Craxì - J Viral Hepat. 2013;20(7):486-493.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO