007_fibrose_port

Como progride a fibrose nos infectados pela hepatite C?

09/02/2010

São muitos os estudos que tentam poder calcular nos infectados com hepatite C quem vai progredir mais rapidamente na fibrose e por isso deveria receber tratamento imediato, porém os resultados conclusivos desses estudos são dos mais variados. Um novo estudo realizado por pesquisadores do "Trent HCV Study Group" do Reino Unido acaba de ser publicado no Journal of Viral Hepatitis e como já falamos varias vezes, com resultados em parte diferentes do afirmado por outros pesquisadores.

Foram incluídos no estudo 282 infectados com hepatite C nos quais o resultado da biopsia não mostrava nenhum dano, com ausência total de fibrose ou um leve estágio 1, conforme a escala de Ishak que avalia a fibrose com graus entre 0 e 6. A partir de então todos os pacientes foram acompanhados por mais de 4 anos quando uma nova biopsia foi realizada.

Após 4 anos, 42% dos pacientes (118) tinham progredido no grau de fibrose para um estágio mais avançado, sendo que 13 pacientes (5%) evoluíram para um estagio severo de fibrose ou cirrose.

A progressão da fibrose foi diretamente associada à idade do paciente (quando mais idade maior aceleração na progressão da fibrose) e níveis mais elevados da transaminase ALT (TGP).

Contrariando outros estudos os pesquisadores não encontraram uma relação direta na progressão da fibrose ao se considerar o sexo do paciente, o peso, o estagia inicial da fibrose ou a presença de esteatose (depósitos de gordura no fígado).

Concluem os pesquisadores que a fibrose inexistente ou leve não progride na maioria dos pacientes, mas a hepatite C não deve ser classificada como uma doença benigna para todos, já que em número significantes de los infectados estará progredindo com diversas velocidades que passam a ser preocupantes, recomendando que o tratamento precoce devesse ser recomendado aos pacientes com idade mais avançada (outros estudos falam em pacientes acima dos 40 anos) e, também, naqueles que apresentam a transaminase ALT (TGP) mais elevada.

MEU COMENTÁRIO:

Embora este estudo mostrasse que a elevação da transaminase ALT (TGP) foi um fator de risco e conveniente lembrar que outros estudos já demonstraram que pacientes que apresentam as transaminases sempre normais também apresentaram progressão da fibrose, assim como vários pesquisadores já encontraram que o peso acima do ideal e a esteatose (depósitos de gordura no fígado) aceleram a progressão da fibrose.

Considero que todos os fatores que demonstram uma possível aceleração do estagio de fibrose mostrados nos diversos estudos devem ser levados em consideração, sem descartar nenhum deles, e dessa forma o médico manter um acompanhamento constante do paciente, indicando o tratamento quando considerar que existiam, ainda, maiores possibilidades de sucesso.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
MJ Williams and M Lang-Lenton (Trent HCV Study Group). Progression of initially mild hepatic fibrosis in patients with chronic hepatitis C infection. Journal of Viral Hepatitis. January 18, 2010 On-Line - Nottingham Digestive Diseases Centre, Nottingham University Hospital, Nottingham, UK


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO