014_geral_port

Alguns médicos ainda não descobriram que hoje em dia os pacientes têm uma segunda opinião consultando o Dr. Google

07/10/2013

Nos Estados Unidos 70% dos indivíduos com alguma doença crônica fazem uso de alguma alternativa na esperança de melhorar seu estado de saúde, diminuir sintomas ou ajudar na possibilidade de cura. Se isso resulta em algum benefício ou em algum prejuízo para o paciente é uma questão controversa, existem defensores e críticos totais contra essa atitude dos pacientes.

Alguns médicos são totalmente céticos com relação a qualquer alternativa que não sejam os medicamentos por eles receitados, alternativas essas que podem ser um simples café, beber água, fazer uso de uma vitamina, um chá, freqüentar uma igreja, fazer alguma terapia oriental, etc., falam que somente com evidências científicas comprovadas é possível ter segurança no tratamento de qualquer enfermidade.

Esses médicos, afortunadamente menos a cada dia, querem um paciente mudo, que não faça perguntas, recomendam não freqüentar grupos de apoio formados por pacientes, que não devem procurar na internet informações no Dr. Google ou páginas Web que não sejam as da sua sociedade médica, enfim, querem o domínio total sobre a vida do pobre do paciente.

Curioso é que em geral são esses mesmos médicos aqueles que não se interessam por conhecer como é a vida do paciente. No consultório a cadeira do paciente é freqüentemente mais baixa que a do médico, raramente pergunta em que o paciente trabalha, qual a estrutura familiar, os problemas econômicos que possam estar acontecendo neste momento da vida, se o diagnostico alterou os planos futuros, nem sequer querem saber do estado emocional que a enfermidade está provocando.

Devem pensar que do outro lado da mesa se encontra uma "caixinha doente" e não conseguem ver que o que há é um ser humano completo e complexo que nesse momento o procurou para tratar uma enfermidade que também afeta sua alma e seu espirito.

Cabe então questionar se esse tipo de profissional é um bom médico, se está realmente interessado no paciente ou se somente se interessa em acabar com a enfermidade que é sua especialidade sem querer saber se com isso estará causando algum problema em outras áreas da vida do paciente, mas que por não ser de sua especialidade não são de seu interesse.

Esse médico é um mau tipo ou simplesmente é um profissional que parou no tempo e no espaço pensando tal qual poucos anos atrás quando a informação médica estava fora do alcance da população, quando somente circulava em compêndios médicos ou em publicações científicas só para assinantes?

Penso que "por culpa da profissão e do excesso de trabalho", não tiveram tempo de compreender que o mundo está mudando, que estamos em um momento onde a informação, seja boa ou má, está circulando rapidamente e se encontra ao alcance de um simples apertar do botão de um computador, um telefone celular ou um tablet, aparelhos até que as crianças sabem operar, mas que "por culpa da profissão e do excesso de trabalho" esse tipo de médico não se deu conta de sua existência.

Quando um paciente recebe diversas informações e faz uso de algum tipo de alternativa por conta própria, sem comentar com o médico, assume que está correndo riscos, também, deve entender que a informação encontrada na internet muitas vezes é equivocada ou com interesse comercial, mas existindo empatia com o médico e por parte deste um pouco de paciência para escutar o paciente, responder (e fazer) perguntas, certamente a relação será bem melhor, menos distante, menos fria e, o resultado terapêutico resultará em maiores possibilidades de cura do paciente.

Ao paciente que não encontra um médico que o vê e trata como um ser humano completo e complexo fica a alternativa de procurar outro profissional, pois são maioria aqueles que atendem de forma correta, humana e atualizados com a moderna tecnologia da informação, muitos inclusive trabalham no sistema público de saúde.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO