032_geral_port

Existem diferenças para o paciente se o médico é homem ou mulher?

13/03/2017

Estudo publicado no "Jama Internal Medicine" conclue que os pacientes idosos atendidos por médicos do sexo feminino teriam menores taxas de mortalidade ou de reinternação no hospital aos 30 dias após o atendimento.

Neste estudo transversal, que analisou dados nacionalmente representativos de beneficiários adultos internados, com mais de 65 anos de idade, do sistema de saúde Medicare (Estados Unidos), descobriu que pacientes tratados por médicos do sexo feminino tiveram taxas significativamente mais baixas de mortalidade e de reinternação no hospital aos 30 dias após o atendimento.

Após 30 dias do atendimento 11,07% dos pacientes atendidos por profissionais de saúde feminino faleceram, contra 11,49% dos atendidos por médicos homens.

No referente a necessidade de reinternação15,02% dos pacientes atendidos por profissionais de saúde feminino necessitaram de nova internação no mesmo hospital nos 30 dias após receber alta, contra 15,57% dos atendidos por médicos homens.

Segundo a publicação diversos estudos têm encontrado diferenças nos padrões de prática entre médicos do sexo masculino e feminino, com médicos do sexo feminino mais propensos a aderir às orientações clínicas e prática baseada em evidências.

Concluem os autores que pacientes idosos hospitalizados tratados por internistas mulheres têm menor mortalidade e readmissões em comparação com aqueles cuidados por internistas do sexo masculino. As diferenças persistiram em 8 condições médicas mais comuns e na gravidade da doença dos pacientes.

MEU COMENTÁRIO

É importante destacar que a idade média dos pacientes incluídos na pesquisa era de 80 anos e a maioria com doenças graves, por isso, provavelmente, o elevado percentual de óbitos e reinternações após 30 dias do atendimento. Os dados não podem ser projetados para a população em geral e somente serem interpretados nessa população especifica de idosos que compreendeu o estudo.

A natureza própria das mulheres de serem mais extrovertidas, comunicadoras e protetoras torna mais fácil a relação com o paciente.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Comparison of Hospital Mortality and Readmission Rates for Medicare Patients Treated by Male vs Female Physicians Yusuke Tsugawa, MD, MPH, PhD; Anupam B. Jena, MD, PhD; Jose F. Figueroa, MD, MPH; E. John Orav, PhD; Daniel M. Blumenthal, MD, MBA; Ashish K. Jha, MD, MPH JAMA Intern Med. 2017; 177(2):206-213. doi: 10.1001/jamainternmed.2016.7875


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO