003_hbv_port

Deficiência de vitamina D aumenta a carga viral na hepatite B

13/06/2013

Já é conhecida a importância da vitamina D na progressão da fibrose e no aumento da possibilidade de cura em infectados com hepatite C. Agora um estudo realizado na Alemanha incluindo 203 mono infectados com hepatite B, isto é, excluindo (não incluídos no estudo) pacientes com hepatite C, hepatite D ou AIDS e, também pacientes com câncer, abuso de bebidas alcoólicas ou qualquer outra doença maligna, que nunca tinham recebido qualquer tratamento antiviral tiveram avaliados durante dois anos, entre 2009 e 2010 os níveis de vitamina D mediante o exame 25-hidroxivitamina D.

O resultado demonstra que 34% dos pacientes infectados com hepatite B tinham grave deficiência de vitamina D, menos de 10 ng/ml, 47% deficiência de vitamina D, entre 10 e 20 ng/ml e somente 19% apresentavam níveis considerados normais de vitamina D, em níveis acima de 20 ng/ml.

Em infectados com carga viral (HBV-DNA) inferior a 2.000 IU/ml a média dos resultados do exame 25-hidroxivitamina D foi de 17 ng/ml e nos infectados com níveis acima de 2.000 IU/ml a média dos resultados do exame 25-hidroxivitamina D foi de somente 11 ng/ml, o qual foi considerado como um forte indicador de que níveis baixos de vitamina D aumentam a concentração do vírus nos infectados.

Em infectados HBeAg positivos os níveis de vitamina D eram menores que nos infectados HBeAg negativos.

Concluem os pesquisadores que os resultados confirmam uma associação entre baixos níveis de vitamina D e altas taxas de carga viral nos infectados com hepatite B.

MEUS COMENTÁRIOS

A Organização Mundial da Saúde alerta para a facilidade com que a hepatite B se transmite sexualmente, informando que é entre 50 e 100 vezes mais contagiosa sexualmente que a AIDS. Também informam que a hepatite B causa 600.000 mortes por ano no mundo.

A cada dia novos estudos sobre a importância da vitamina D são publicados, não somente para infectados com hepatite, já ficando comprovado que qualquer pessoa com uma doença crônica, qualquer uma, ou em tratamento com drogas imussupressoras ou quimioterápicas apresenta baixos níveis de vitamina D quando medida pelo exame 25-hidroxivitamina D.

Ainda não se conhece qual deveria ser o nível ideal, mas vários pesquisadores já falam que deveria se situar em 32 e 40 ng/ml.

Muitos alimentos aumentam a vitamina D e quando necessário existem suplementos orais, mas somente será metabolizada e absorvida pelo organismo se a pessoa toma sol, entre 15 e 30 minutos umas três ou quatro vezes por semana, devendo ser o sol entre 10 e 15 horas para causar efeito na absorção da vitamina D.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Low vitamin D serum concentration is associated with high levels of hepatitis B virus (HBV) replication in chronically infected patients - Farnik H , J Bojunga , Berger A , Allwinn R , Waidmann O , Kronenberger B , Keppler OT , Zeuzem S , Sarrazin C , Lange CM . - Hepatology. 2013. DOI: 10.1002/hep.26488


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO