019_hbv_port

"4th Latin American Meeting on Treatment of Hepatitis and HIV Co-infection" - Dia 1 - Hepatite B

24/03/2015

1 - Estado da Arte na Hepatite B (Maria Buti - Espanha)

- A hepatite B é mais difícil de tratar que a hepatite C.

- O objetivo do tratamento é baixar a carga viral e conseguir níveis normais da transaminase ALT.

- Um dos principais objetivos do tratamento da hepatite B é reduzir a possibilidade do aparecimento do câncer no fígado.

- Em indivíduos imunotolerantes (que não reagem a determinado antígeno com a produção do anticorpo correspondente) deve se acompanhar o paciente. Em cinco anos raramente se observa a progressão da doença no fígado, mas a cada seis meses o paciente deve comparecer a uma consulta.

- NOVIDADE: Tratamento combinado com dois medicamentos, tenofovir e Truvada® (3 em 1). Em quatro anos é observada a supressão viral em 76% dos tratados.

- Em pacientes com cirrose o tratamento é recomendado quando a transaminase ALT se encontra elevada e a carga viral acima de 2.000 UI/ML.

- Todos os pacientes com cirrose devem ser tratados e nos cirróticos não pode ser utilizado o interferon peguilado.

- O tratamento de pacientes "e" positivos quando empregado interferon peguilado durante 1 ano consegue eliminar o vírus da hepatite B em 30% dos pacientes.

- O tratamento com interferon peguilado é o único tratamento da hepatite B com um prazo definido de duração.

- O tratamento da hepatite B com medicamentos orais é a longo prazo, existe uma possibilidade de se conseguir a supressão viral após 5 ou 7 anos de tratamento, os medicamentos entecavir e tenofovir não apresentam resistência viral, mas não conseguem obter a perda do HBeAg.

Quando parar o tratamento ao se utilizar medicamentos orais? Em pacientes HBeAg positivos quando a carga viral se encontra negativa, existe a perda do HBsAg e aparece positivo o ANTI-HBs. Mas o paciente deve ser acompanhado a cada seis meses.

2 - Atualizações do apresentado no CROI/APASL (Rafael Esteban - Espanha)

- A hepatite C é controlável na sua progressão, mas difícil de curar.

- Atualmente é possível prevenir a infecção, seja com vacinação, educação ou cuidados em geral.

- É de fundamental importância vacinar todas as crianças no mesmo dia do nascimento, sendo essa uma das formas mais eficazes de eliminar a hepatite B em duas gerações.

- O maior problema enfrentado pela saúde pública é o grande número de infectados ainda não diagnosticados.

- O tratamento com tenofovir de pacientes "e" negativos consegue em oito anos que 58% se encontrem indetectáveis na carga viral e não foi observada nenhuma resistência viral durante o tratamento.

Mas somente 12,9% desses pacientes tratados com tenofovir conseguem a perda do HBs-Ag.

3 - O que há de novo na América Latina? (David Kershenobich Stalnikowitz - México)

- Na hepatite B existem diversos genótipos.

- Existem oito diferentes genótipos. A, B, C, D, E, F, G e H.

- Na América Latina cada região geográfica apresenta a prevalência de um determinado genótipo.

- Cada genótipo progride mais aceleradamente ou devagar que os outros.

- Cada genótipo apresenta maiores ou menores possibilidades de sucesso com o tratamento.

- Alerta: Cuidado ao se interpretar os resultados de uma pesquisa ou ensaio clínico. É importante saber qual era o genótipo prevalente na população incluída, pois o resultado não pode ser aplicado a outros genótipos.

4 - Consensos de tratamento na América Latina (Lucy Dagher - Venezuela)

- Foi feita a comparação dos diversos consensos de tratamento, alguns similares ao Consenso Europeu e outros seguindo o consenso dos Estados Unidos.

- Estudos mostram que a faixa etária com maior prevalência da hepatite B na América Latina está concentrada em indivíduos entre 20 e 40 anos.

5 - O futuro na hepatite B (Maria Buti - Espanha)

- Existem pesquisas de novos medicamentos que tentam inibir a entrada do vírus nas células, como forma de eliminar a replicação dos vírus no organismo.

- Outras pesquisas são de medicamentos que atacam o "cccDNA" (é a estrutura DNA do vírus) ativando a modulação imune.

- Também estão em estudos medicamentos inibidores da polimerase.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Participação no "4th Latin American Meeting on Treatment of Hepatitis and HIV Co-infection"


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO