004_hiv_port

Resultado "CC" no teste "IL28B" - Excelente para hepatite - Mortal para HIV/AIDS

17/10/2011

Um simples exame de sangue chamado "IL28B" serve como prognostico de resposta ao tratamento da hepatite C. O resultado é simples, com três possibilidades: "CC", "CT" ou "TT".

Se o resultado for "CC" indica que o paciente tem alta possibilidade de cura com o tratamento da hepatite C. Se o resultado for "CT" a possibilidade de cura do paciente será a normal, já se o resultado for "TT" indica que as possibilidades de cura são pequenas.

Confesso que nunca fui muito a favor da tal teste, mas a cada dia está sendo mais solicitado pelos médicos para desenhar a estratégia de tratamento de cada paciente, de forma individualizada. O meu medo reside em que se um paciente com resultado "TT" por ter uma pequena possibilidade de cura utilizando interferon peguilado e ribavirina, possa vir a ter algum dia negado o tratamento por parte do sistema público de saúde, alegando que não se deve gastar dinheiro quando a possibilidade de sucesso fica somente entre 10 e 15%.

Mas o impactante no estudo que acaba de ser apresentado na "European AIDS Conference," realizada em Belgrado, é o que foi encontrado pelos pesquisadores poloneses ao constatar que o mesmo gene expresso pelo resultado "CC" que é excelente prognostico para os infectados com hepatite C significa um péssimo sinal para os infectados com HIV/AIDS em tratamento antirretroviral.

Ao estudar dados sobre as causas de mortalidade em 484 pacientes que morreram durante o tratamento do HIV/AIDS realizando exames em amostras de sangue armazenadas, os pesquisadores da "Pomeranian Medical University" de Szczecin, Polônia, descobriram que aqueles que apresentavam no exame "IL28B" um resultado "CC" possuíam 80% mais chances de morrer durante o tratamento antirretroviral que os pacientes com resultados "CT" ou "TT".

No total dos pacientes 42% apresentavam resultado "CC", 46% a variante "CT" e 12% a variante "TT", dados consistentes com os encontrados em estudos feitos na população do país.

Durante o período de seguimento do estudo aconteceram 84 mortes (17% do total dos pacientes), 55 dos quais por causas relacionadas à AIDS e 29 mortes por outras causas.

As mortes entre os pacientes com a variante "CC" atingiram 46 pacientes, representando 23% deles, em comparação com as variantes "CT" e "TT" com 38 mortes o que representa 13,5% dos pacientes.

Não foi observada diferença nas taxas de óbitos de pacientes que não estavam tomando medicamentos, mas as taxas de mortalidade começaram a divergir logo que os pacientes começaram a terapia antirretroviral.

Ao analisar os dados de forma multivariada foi encontrado que as mulheres possuíam 64% menos possibilidade de morte que os homens.

A possibilidade de morte nos pacientes com a variante "CC" foi 80% maior quando a contagem de CD4 era inferior a 100 células/mm3 e de 74% se a contagem de CD4 era superior a 100 células/mm3.

Os pesquisadores descobriram que os pacientes "TT" apresentam menor carga viral e uma contagem maior de CD4, mas não conseguiram estabelecer uma diferença entre os pacientes com a variante "CC" e os outros.

O estudo polonês é correto, mas porque o "IL28B" com um resultado "CC" afeta pacientes monoinfectados com HIV/AIDS em tratamento antirretroviral permanece uma incógnita.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Parczewski M et al. IL28B gene polymorphisms and all-cause mortality in HIV infected patients. Thirteenth European AIDS conference, Belgrade. Abstract PS2/3. 2011.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO