002_obesidade_port

Perder peso melhora a resposta terapêutica no tratamento da hepatite C

28/08/2006

Um dos fatores que prejudica o resultado do tratamento da hepatite C é a obesidade. Indivíduos obesos infectados com a hepatite C podem conseguir melhores resultados com o tratamento se antes de iniciar o mesmo conseguem reduzir o peso. A perda de peso, o uso de medicamentos para diminuir a resistência a insulina e uma maior duração do tempo de tratamento são estratégias que podem melhorar a eficácia da terapia.

A obesidade é associada com uma grande variedade de mudanças metabólicas que afetam a regeneração celular e as funções do fígado. Dada a associação entre obesidade e anormalidades metabólicas a equipe chefiada pelo Dr. Michael R. Charlton, da Mayo Clinic and Foundation em Rochester, Estados Unidos estudaram vários mecanismos pelos qual a obesidade pode interferir com o tratamento da hepatite C e assim recomendar estratégias de tratamento para os pacientes obesos.

Os autores encontraram três fatores principais que podem interferir na ação do interferon e da ribavirina:

1) A gordura dos tecidos secreta hormônios que modulam a ação do sistema imunológico desregulando a atuação do interferon, tornando o medicamento ineficaz;

2) A resistência a insulina causada pela obesidade leva a acumulação de gordura no fígado (esteatoses). A maior acumulo de gordura no fígado aumenta o risco de progressão da fibrose ou até da cirrose, alterando as funções do fígado e o fluxo normal do sangue pelo órgão. Como o vírus da hepatite C também inibe as células do fígado para responder a ação da insulina, a obesidade simplesmente pode piorar a doença hepática;

3) A gordura depositada nos tecidos do organismo reduz a quantidade de interferon que circula no corpo. A circulação diminuída do medicamento debilita a ação do interferon no combate ao vírus.

Para tratar e atacar estes mecanismos, os autores fazem três recomendações de tratamento:

1) Perda de peso antes do inicio do tratamento. A perda de peso em pacientes obesos já esta comprovadamente associada com melhores resultados na biopsia do fígado e com a redução das transaminases;

2) Tratar com medicamentos para melhorar a sensibilidade do organismo a insulina. A ação de medicamentos como Metformin ou o pioglitazone (rosiglitazone) pode conseguir a redução dos depósitos de gordura reduzindo ou invertendo a progressão do dano ao fígado;

3) Aumentar a dosagem do interferon ou a duração do tempo de tratamento poderá conseguir aumentar os níveis do medicamento circulante no organismo e melhorar a eficácia do mesmo.

Concluem os autores que estratégias de tratamento personalizadas devem ser empregadas em pacientes obesos para evitar uma resposta terapêutica pobre.

Fonte:
Hepatology. 2006 Jun;43(6):1177-86 - Charlton MR, Pockros PJ, Harrison SA.- Division of Gastroenterology and Hepatology, Mayo Clinic College of Medicine, Rochester, MN 55905, USA.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO