004_obesidade_port

Tratar da obesidade ajuda a melhorar a resposta terapêutica na terapia da hepatite C

07/06/2006

Um estudo publicado na edição de junho da revista Hepatology conclui que pacientes obesos que recebam indicação para realizar o tratamento da hepatite C poderão obter melhores resultados se antes do tratamento e tratada a obesidade. A perda de peso antes do tratamento, o uso de medicamentos para diminuir a resistência a insulina, estender a duração do tratamento ou indicar uma dosagem maior dos medicamentos são estratégias que podem melhorar a eficácia da terapia da hepatite C.

A obesidade e associada a uma grande variedade de mudanças metabólicas que afetam as funções das células hepáticas e as funções do fígado.

O Dr. Michael R. Charlton, da Divisão de gastroenterologia e Hepatologia da Clinica Mayo (Estados Unidos) coordenador da equipe de pesquisadores estudou quais mecanismos da obesidade podem interferir no tratamento da hepatite C. Foram identificados três fatores que interferem com a ação do interferon e da ribavirina.

Um deles foi a ação dos tecidos gordurosos, os quais secretam hormônios que podem modular a ação do sistema imunológico, desregulando a ação do interferon e tornando o medicamento ineficaz na sua ação antiviral.

Um segundo fator foi a resistência a insulina propriamente dita, a qual contribui para a formação de depósitos de gordura no fígado, sendo que com uma maior acumulação de gordura no fígado e acelerada a progressão para a fibrose e a cirrose, alterando a função hepática e dificultando a circulação sanguínea. Como o vírus da hepatite C também pode provocar que as células hepáticas não respondam a insulina, serão estes uma conjunção de fatores que irão piorar e acelerar a doença no fígado.

O terceiro fator encontrado, desconhecido ate então, e que o tecido gorduroso dos pacientes obesos reduz a quantidade de interferon que circula no organismo. Esta diminuição do interferon circulante diminui a ação do medicamento debilitando a excitação do sistema imune no combate ao vírus.

Para tratar de todos estes mecanismos os autores fazem três recomendações. Primeiro obter uma redução do peso antes do inicio do tratamento. A perda de peso já demonstrou em vários estudos publicados que esta associada com uma melhora no dano histológico (mostrado pela biopsia) e na redução dos níveis das transaminases.

A seguir como segunda recomendação opinam que devem ser receitados medicamentos, normalmente utilizados em pacientes diabéticos, para melhorar a sensibilidade celular para a insulina, se obtendo com isto uma redução da acumulação de gordura no fígado e ate invertendo a velocidade de progressão da fibrose.

Como terceira estratégia de tratamento o médico deveria estudar a possibilidade de aumentar a dosagem dos medicamentos e ate prolongar a duração do mesmo nestes pacientes.

MEU COMENTARIO

Estas estratégias de tratamento podem mudar o conceito dos protocolos, indicando um tratamento diferenciado para o grupo de pacientes obesos, um grupo que atualmente apresenta uma baixa taxa de resposta ao tratamento.

Fonte:
Hepatology - Volume 43, Issue 6 , Pages 1177 - 1186


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO