008_obesidade_port

Adolescentes acima do peso é fator para futura doença hepática grave e câncer no fígado

03/04/2017

Um índice de massa corporal elevado (IMC) está associado a um risco aumentado de doença hepática grave. Não está claro se este risco difere entre as categorias de IMC e se a associação é parcialmente atribuída ao desenvolvimento de diabetes tipo 2 (DM2).

Estudo publicado na "Hepatology" utilizando dados de prontuários clínicos entre 1969 e 1996 de mais de 1,2 milhões de homens suecos analisou o atendimento hospitalar e mortalidade em hepatopatia grave e incidência de câncer de fígado em todas as faixas do índice de massa corporal elevado IMC, usando IMC entre 18,5 e 22,5 kg / m 2 como referência.

Foram encontrados 5.281 casos de doença hepática grave incluindo 251 casos de câncer de fígado. Foi observada associação com doença hepática grave para o excesso de peso. O desenvolvimento de diabetes tipo 2 aumentou ainda mais o risco de doença hepática grave em todas as faixas de IMC, por exemplo, homens com obesidade e diabetes tipo 2 apresentaram maior risco de hepatopatia grave com 3,28% contra 2,27% em obesos sem diabetes.

Concluem os pesquisadores que um índice de massa corporal elevado nos adolescentes foi associado com um risco aumentado de futura doença hepática grave, incluindo câncer de fígado. O desenvolvimento de diabetes tipo 2 nos pacientes durante o acompanhamento do estudo esteve associado a um risco aumentado de doença hepática grave, independente do grau de obesidade.

IMPORTANTE

- Sobrepeso e obesidade está aumentando em prevalência em todo o mundo.

- Um índice de massa corporal elevado (IMC) está associado a um risco aumentado de futura doença hepática grave e câncer de fígado em adultos.

- Um alto IMC também aumenta o risco de diabetes tipo 2 que por sua vez está associada a um aumento do risco de doença hepática grave.

Quais são as novas descobertas?

- O IMC elevado no final da adolescência está associado a uma futura doença hepática grave numa relação não linear.

- Este risco é ainda maior nos homens que também desenvolvem diabetes tipo 2, mas também são relevantes em homens que não desenvolvem diabetes.

- O IMC elevado no final da adolescência também está associado a um risco aumentado de câncer no fígado.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO