007_outras_port

Tratamento da hepatite auto-imune sintomática e assintomática

18/01/2016

Foi publicado em "Clinical Gastroenterology and Hepatology" um estudo retrospectivo com grande número de participantes, incluindo pacientes com hepatite auto-imune que não apresentam sintomas (assintomáticos) com pacientes com hepatite auto-imune que apresentam os sintomas da doença.

O objetivo era comparar a resposta ao tratamento de pacientes com hepatite auto-imune, com sintomas e fazer a comparação com pacientes com hepatite auto-imune assintomáticos.

Foram considerados pacientes assintomáticos aqueles com anomalias leves e intermitentes nos testes de função hepática, sem sintomas físicos. A forma sintomática foi definida como tendo sintomas agudos de hepatite ou sintomas inespecíficos como fadiga, artralgia (dores nas articulações), e mal-estar.

O estudo, retrospectivo, realizado em um hospital de referencia italiano incluiu 305 pacientes. 35% dos pacientes eram assintomáticos.

Todos os pacientes foram tratados com esteróides com e sem azatioprina com o objetivo de alcançar o alívio dos sintomas, remissão bioquímica, ou ambos. Os pacientes foram observados a cada 3 ou 6 meses e foram monitorados durante a progressão para a cirrose, descompensação hepática, ou ambos.

Os pacientes com hepatite auto-imune assintomáticos tinham níveis mais baixos nos testes do fígado e na inflamação histológica, mas apresentavam um grau semelhante de fibrose e prevalência de cirrose.

A resposta ao tratamento foi semelhante entre os pacientes com sintomas e os assintomáticos. Após 6 anos de seguimento, as taxas de progressão da doença hepática foram semelhantes em pacientes sintomáticos e assintomáticos (22,2% e 23,6%). Entre os pacientes sem cirrose, a progressão para a cirrose foi semelhante entre os pacientes sintomáticos e assintomáticos (12,2% e 18,5%).

Concluem os pesquisadores que os resultados confirmam a importância de tratar pacientes com hepatite auto-imune sejam eles sintomáticos ou assintomáticos.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Features and progression of asymptomatic autoimmune hepatitis in Italy - Paolo Muratori, Claudine Lalanne, Erica Barbato, Angela Fabbri, Fabio Cassani, Marco Lenzi, Luigi Muratori - Clin Gastroenterol Hepatol 2016 Jan; 14:139. (http://dx.doi.org/10.1016/j.cgh.2015.07.017)


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO