010_pesq_port

AASLD 2012 - O consumo de café em pacientes com esteatose (gordura no fígado) está associado a menor fibrose

03/12/2012

Diversos estudos já comprovam que o café possui efeitos benéficos em indivíduos com problemas no fígado e no controle do diabetes tipo 2. Pesquisadores dos Estados Unidos apresentaram no AASLD 2012 um trabalho pelo qual tentavam identificar mais detalhadamente a relação entre o consumo de café e a resistência a insulina no referente a gravidade da fibrose em pacientes com esteatose (Gordura no fígado).

Entre os anos de 2004 e 2008 foram acompanhados 782 pacientes adultos com depósitos de gordura no fígado não causados pelo abuso de bebidas alcoólicas (NASH), acompanhando nesse período o tipo de dieta e o consumo de café. A resistência a insulina foi observada medindo o índice HOMA-IR. A associação entre o consumo de café e o grau de fibrose foi realizada por regressão logística incluindo as variáveis idade, sexo, etnia, circunferência da cintura, HOMA-IR, consumo de xicaras de café, cigarro e consumo de bebidas alcoólicas.

O índice massa corporal médio dos participantes - IMC - era de 33,5 kg/m2 e o HOMA-IR médio de 4,3. Entre os participantes 24% eram diabéticos.

A esteatose não alcoólica (NASH) definida por biopsia foi encontrada em 59% dos pacientes, sendo que 7,5% já tinham evoluído para a cirrose.

O consumo de café foi avaliado pelo consumo diário de xicaras, sendo que 29% dos pacientes não bebiam café, 28% bebiam 1 xicara ao dia, 15% duas xicaras ao dia e 28% mais de duas xicaras ao dia.

O resultado encontrado foi uma relação direta entre a gravidade da fibrose e o consumo de café, sendo a gravidade menor entre os que bebiam duas ou mais xicaras de café ao dia, entre os quais também foi encontrado um maior percentual de HOMA-IR abaixo de 4,3 que entre os que nada bebiam ou ingeriam somente 1 xicara ao dia.

Mas nenhuma associação foi encontrada entre o consumo de café e o percentual de gordura depositada no fígado (esteatoses).

Concluem os autores que aumentar o consumo de café reduz a resistência à insulina, melhorando a gravidade da fibrose. Mas alertam que entre os pacientes que aumentaram o consumo de café foi observado um aumento no consumo de bebidas alcoólicas e do cigarro.

MEU COMENTÁRIO

É evidente o beneficio do café em quem sofre problemas no fígado, mas chama a atenção o alerta feito pela primeira vez que aqueles que passam a beber mais café aumentam o consumo de bebidas alcoólicas e passam a fumar mais cigarros. O auto patrulhamento nesses casos passa a ser muito mais necessário por parte dos pacientes. Não adianta cuidar por um lado e descuidar por outro.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
AASLD 2012 - Abstract 99 - Coffee Consumption in NAFLD Patients with Lower Insulin Resistance is Associated with Lower Risk of Severe Fibrosis - K. Bambha; L. Wilson; A. Unalp; R. Loomba; B. A. Neuschwander-Tetri; E. M. Brunt; N. M. Bass.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO