011_pesq_port

AASLD 2012 - Existe alguma associação entre hepatite C, Diabetes e doenças cardiovasculares?

03/12/2012

Já está comprovado que o vírus da hepatite C afeta o metabolismo provocando o aumento da resistência a insulina, levando em muitos casos ao aparecimento do diabete tipo 2. Pesquisadores dos Estados Unidos estudaram outras alterações metabólicas que possam ser aumentadas pela hepatite C, em especial a pressão arterial e doenças cardiovasculares.

Foram analisados dados do NHANES (Instituto Nacional de Saúde e Nutrição) realizado pelo Centro de Estatísticas em Saúde dos Estados Unidos entre os anos de 1999 e 2010 de um total de 62.160 indivíduos para avaliar a associação do vírus da hepatite C com aqueles com pressão arterial sistólica acima de 140 ou, diastólica acima de 90, o uso de medicamentos hipertensivos, a glicose em jejum acima de 126 mg/dl, a utilização de medicamentos para diabetes, a resistência a insulina medida pelo índice HOMA acima de 3 e a historia clínica de cardiopatia isquêmica, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral (AVC).

Do total dos 62.16 históricos analisados foram selecionados por completar os critérios um total de 19.741 adultos. Entre eles 304 pacientes (1,54%) apresentavam resultados positivos de anticorpos para hepatite C e 179 pacientes (0,79%) um resultado positivo no PCR (carga viral).

Entre os infectados com hepatite C foi encontrado que 44,1% apresentavam resistência a insulina medida pelo índice HOMA, superior a 3, contra 31,1% dos indivíduos sem hepatite C. A hipertensão, acima de 140 afetava 40,1% dos infectados com hepatite C e somente 28,9% dos não infectados. Entre os infectados com hepatite C 76,2% eram fumantes, contra somente 29,9% dos não infectados.

Ao realizar a analise multivariada eliminando os fatores de risco conhecidos, os pesquisadores encontraram que os infectados com hepatite C ativa (carga viral positiva) apresentavam 220% maior possibilidade de ter resistência a insulina que entre os não infectados, que a prevalência de diabetes era 290% maior que na população sem hepatite C e a hipertensão com pressão acima de 140 era 220% superior que entre os indivíduos não infectados. Concluem os pesquisadores que a infecção com a hepatite C pode predispor os pacientes para complicações cardiovasculares.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
AASLD 2012 - Abstract 962 - Association of Hepatitis C Virus (HCV) with Diabetes Mellitus (DM), Hypertension (HTN) and Cardiovascular Diseases (CVD) - Z. M. Younossi; M. Stepanova; C. Venkatesan; Z. Younoszai; M. Srishord; A. Mishra.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO