004_prevencao_port

A vacina da hepatite B protege por até 25 anos

25/06/2012

A vacina contra a hepatite B, segundo um estudo realizado em Taiwan, pode proteger por até 25 anos.

Taiwan implementou um programa de vacinação infantil, aplicando a vacina nas primeiras 24 horas após o nascimento, no ano de 1984. A partir do inicio do programa um inquérito soro epidemiológico está sendo realizado a cada cinco anos, para observar se as pessoas vacinadas permanecem com o anticorpo no organismo.

No mais recente inquérito, realizado em 2009, foram testadas 3.332 indivíduos com menos de 30 anos de idade, isto é, os que completavam 25 anos se encontravam no programa da vacinação infantil e os indivíduos entre 25 e 30 anos por terem nascido antes de 1984 não receberam a vacina no nascimento. Para efeito comparativo foram incluídos aproximadamente 100 indivíduos em cada ano de idade.

O resultado mostra que no ano de 2009 os menores de 25 anos de idade tinham muito menos probabilidade de serem infectadas com a hepatite B que os indivíduos entre 26 e 30 anos que nasceram antes da vacinação universal.

Um resultado positivo do HBsAg, indicando infecção, foi encontrado em 0,9% dos vacinados no nascimento contra 10% dos indivíduos com mais de 26 anos, nascidos antes da vacinação universal no nascimento.

Um resultado positivo do anti-HBs, indicando proteção pela vacina ou por uma cura espontânea, foi encontrado em 55,9% dos vacinados no nascimento contra 24,5% dos indivíduos com mais de 26 anos, nascidos antes da vacinação universal no nascimento.

Um resultado positivo do anti-HBc, confirmando a infecção pelo vírus, foi encontrado em 7% dos vacinados no nascimento contra 28% dos indivíduos com mais de 26 anos, nascidos antes da vacinação universal no nascimento.

Analisando os históricos médicos de 25 indivíduos que apesar de vacinados desenvolveram a doença foi encontrado que em 86% das falhas vacinais a mãe era infectada com hepatite B. Entre os indivíduos com idade acima de 20 anos, a taxa de infecção não aumentou significativamente ao comparar o inquérito feito em 1989 com os dados encontrados em 2009, fazendo com que doses de reforço universais não sejam necessárias, segundo opinião dos pesquisadores.

Concluem os pesquisadores que a eficácia da vacinação em adultos jovens é clara, explicando que os especialistas tinham duvidas sobre por quanto tempo a vacina oferece efeito protetor.

MEU COMENTÁRIO:

O programa de vacinação nas primeiras 24 horas após o nascimento de Taiwan compreendia somente a vacina, inclusive quando a mãe também estava infectada. As recomendações de consenso atuais recomendam que a criança receba a primeira dose da vacina nas primeiras 12 horas após o nascimento e, caso a mãe esteja infectada deve ser aplicada imunoglobulina anti-hepatite, com o qual a criança não desenvolverá a doença.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Minimization of HBV infection by a 25-year universal vaccination program - Yen-Hsuan Ni, Mei-Hwei Chang, Jia-Feng Wu, Hong-Yuan Hsu, Huey-Ling Chen, Ding-Shinn Chen - Journal of Hepatology - published online 04 June 2012


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO