007_psi_port

Tratamento da depressão durante o tratamento da hepatite C

30/07/2012

A depressão é uma complicação grave durante o tratamento da hepatite C com interferon peguilado, sendo a causa da maioria das interrupções do tratamento.

Um estudo multicêntrico, randomizado, duplo-cego, prospectivo, controlado com placebo, foi realizado em 10 universidades e 11 hospitais da Alemanha com pacientes que antes do tratamento não apresentavam sinais depressivos, mas que o interferon poderia provocar um estado depressivo. O estudo foi realizado utilizando o "escitalopram " (um medicamento antidepressivo da classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina ou ISRS).

O objetivo era determinar se o tratamento preventivo com o antidepressivo escitalopram pode diminuir a incidência ou gravidade de depressão associada ao interferon peguilado em pacientes sem história de distúrbios psiquiátricos.

Foram incluídos 181 pacientes infectados com hepatite C sem historia anterior de distúrbios psiquiátricos e acompanhados entre os anos de 2004 e 2008.

Um grupo de 90 pacientes recebeu 10 mg/dia de escitalopran e os demais 91 pacientes recebiam um placebo. Todos iniciaram o tratamento duas semanas antes do tratamento da hepatite C e receberam a terapia com escitalopran ou placebo durante 24 ou 48 semanas.

Foram então observadas a incidência da depressão e o tempo de duração do sintoma. Um total de 32% dos que recebiam o escitalopran apresentou algum nível de depressão, contra 59% do grupo que foi tratado com placebo.

Depressão em nível considerado de maior gravidade foi observada em 8% dos que foram tratados com escitalopran e em 19% do grupo placebo.

A cura (resposta sustentada) foi obtida por 56% dos que foram tratados com escitalopran e em 46% do grupo placebo.

Concluem os autores que o tratamento profilático com o antidepressivo escitalopran foi eficaz na redução da incidência e severidade da depressão associada ao interferon peguilado, mas que o resultado não pode ser generalizado para pacientes com doença psiquiátrica anterior ao tratamento devido a que esses pacientes não foram incluídos no estudo.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Escitalopram for the Prevention of Peginterferon-?2a-Associated Depression in Hepatitis C Virus-Infected Patients Without Previous Psychiatric Disease: A Randomized Trial - Schaefer M, Sarkar R, Knop V, Effenberger S, Friebe A, Heinze L, Spengler U, Schlaepfer T, Reimer J, Buggisch P, Ockenga J, Link R, Rentrop M, Weidenbach H, Fromm G, Lieb K, Baumert TF, Heinz A, Discher T, Neumann K, Zeuzem S, Berg T. - Ann Intern Med. 2012 Jul 17;157(2):94-103.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO