034_psi_port

O tratamento da hepatite C com sofosbuvir em pacientes com doença mental é seguro

05/12/2016

Estudo publicado no "World Journal of Hepatology" estudou o impacto da doença mental sobre o tratamento da hepatite C.

Os pesquisadores analisaram de forma retrospectiva cinco estudos inscritos nos centros de pesquisa clínica do "National Institutes of Health" dos Estados Unidos. Todos os pacientes eram infectados com o genótipo 1 da hepatite C e nunca antes tinham recebido qualquer tratamento antiviral.

Dois dos estudos incluíram participantes mono-infectados com hepatite C (SPARE, SYNERGY-A), e 3 estudos incluíam co-infectados HIV/HCV (ERADICATE, PFINPK, e ALBIN).

Os pacientes foram tratados com 3 esquemas diferentes: sofosbuvir e ribavirina no SPARE, ledipasvir e sofosbuvir no SYNERGY-A e no ERADICATE e, interferon peguilado e ribavirina por 48 semanas nos ensaios PIFNPK e ALBIN.

Os pacientes foram identificados com doença de saúde mental de base (doença de saúde mental) definido por um diagnóstico DSM IV da depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, ansiedade generalizada e transtorno de estresse pós-traumático ou utilizando antidepressivos, antipsicóticos, estabilizadores do humor ou psicotrópicos prescritos por um psiquiatra).

A cura da hepatite C entre os pacientes com doença de saúde mental tratados com medicamentos contendo sofosbuvir era a mesma. No estudo SPARE, 60,9% dos pacientes com doença mental obtiveram a cura em comparação com 67,6% dos pacientes sem doença mental. No estudo SYNERGY-A, 100% de ambos os grupos resultaram curados e no estudo ERADICATE 100% dos pacientes com doença mental resultaram curados contra 97,1% dos pacientes sem doença mental.

Não houve diferença estatisticamente significativa na contagem de comprimidos consumidos nem na adesão às consultas.

Entre os pacientes com co-infecção pelo HIV, antes do tratamento o BDI (Escala de Depressão de Beck) foi semelhante entre os pacientes tratados com sofosbuvir, e aqueles tratados com interferon, no entanto, foi observado um efeito sobre dicotómica(*) durante o tratamento.

Entre os participantes tratados com as combinações com sofosbuvir, o BDI diminuiu de 5,24 (antes do tratamento) para 3,28 durante o tratamento e 2,82 após o tratamento. Entre os pacientes tratados com interferon o valor médio do BDI aumentou de 6,96 antes do tratamento para 9,19 durante o tratamento e diminuiu após o tratamento.

A alteração nos valores médios da Escala de Depressão de Beck antes do tratamento e durante o tratamento entre os participantes tratados com sofosbuvir ou com interferon foi estatisticamente significativa (-1,96 e 2,23, respectivamente; P = 0,0032). Esta mudança manteve-se estatisticamente significativa quando a análise foi restrita aos participantes que alcançaram a cura da hepatite C (-2,0 e 4,36, respectivamente; P = 0,0004).

Concluem os autores que o tratamento baseado em sofosbuvir é seguro e bem tolerada em pacientes com doença de saúde mental. Um declínio na BDI associada ao tratamento da hepatite C com sofosbuvir sugere benefícios adicionais na doença de saúde mental, embora a duração destes efeitos é desconhecida.

MEUS COMENTÁRIOS

Felizmente começam a aparecer estudos para tratamento de infectados com hepatite c que apresentam doença mental, pacientes esses que na maioria dos casos estavam impossibilitados de receber tratamento à base de interferon.

Profissionais de saúde interessados podem aceder ao estudo completo que se encontra aberto no "World Journal of Hepatology" em http://www.wjgnet.com/1948-5182/full/v8/i31/1318.htm

(*) - EXPLICANDO: Dicotómica é como são chamadas formas de pensar distorcidas da realidade, padronizadas pelos eventos da vida e que geram grande sofrimento para si próprio ou para os outros com quem convive

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Safe and effective sofosbuvir-based therapy in patients with mental health disease on hepatitis C virus treatment - Lydia Shuk Yee Tang, Jack Masur, Zayani Sims, Amy Nelson, Anu Osinusi, Anita Kohli, Sarah Kattakuzhy, Michael Polis, Shyam Kottilil - World J Hepatol. Nov 8, 2016; 8(31): 1318-1326


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO