001_quali_port

Qualidade de vida na hepatite C

06/04/2007

Não existe qualquer questionamento ao fato comprovado que a hepatite C prejudica a qualidade de vida dos infectados. Um estudo publicado no Journal Of Viral Hepatology pesquisou se as pessoas com transaminases persistentemente normais apresentavam, também, uma menor qualidade de vida.

Foram acompanhados 165 pacientes infectados com hepatite C e, entre eles 70 possuem as transaminases elevadas de forma permanente, um grupo de 45 que apresentavam transaminases persistentemente normais e um grupo de 50 formado por indivíduos sadios, formando o chamado grupo controle.

Os grupos eram similares em relação à idade e sexo. No grupo de pacientes com hepatite C e transaminases elevada foi encontrado que predominava o sexo feminino e um maior tempo de infecção.

Por meio de um formulário denominado "Perfil do Estado Anímico" (POMS) foi determinado o estado emocional e psicológico de cada um dos participantes. A valorização da qualidade de vida foi avaliada por meio de um questionário sobre "Vida Cotidiana" (EDLQ), um método validado cientificamente que tem relação sobre pesquisas de saúde conhecidas como SF-36.

O resultado do estudo mostra que quando comparados ao grupo controle o grupo com hepatite C e transaminases normais apresentavam uma taxa de depressão mais alta e maior irritabilidade, junto com uma perda da auto-estima, vontade de viver, relação com o parceiro e autoconfiança.

Não foram observadas diferenças significativas entre os dois grupos com hepatite C (transaminases normais e transaminases elevadas), com exceção que o grupo com transaminases normais apresentou um grau de irritação superior ao grupo com transaminases elevadas.

Os autores declaram que não foi encontrada qualquer relação entre a qualidade de vida e a gravidade da doença hepática, concluindo que a diminuição da qualidade de vida em infectados com a hepatite C e similar nos pacientes com transaminases normais ou elevadas.

MEU COMENTÁRIO:

O estudo e de tal importância para que os médicos, psicólogos e psiquiatras compreendam melhor os sentimentos de um infectado pela hepatite C que ao final deste, após o texto em espanhol, colocamos o artigo original completo (em Inglês).

Uma outra observação importante no estudo é que não são encontrados sinais tão evidentes de deterioração da qualidade de vida nos infectados pela hepatite B.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
J Viral Hepat 2006 Dec; 13:828-34 - Impaired health-related quality of life in patients with chronic hepatitis C and persistently normal aminotransferase levels - M. von Wagner; J.-H. Lee - Klinik für Innere Medizin II, Universitätsklinikum des Saarlandes, Homburg, Saar, Germany and Medizinische Klinik I, Johann Wolfgang Goethe-Universität, Frankfurt, Germany


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO