008_rvs_port

A aderência ao tratamento aumenta a possibilidade de cura da hepatite C

11/03/2013

Quando perguntado a um paciente se teve o cuidado de tomar todos os medicamentos nas dosagens recomendadas e nos horários corretos em geral a resposta da maioria é sim, que cumpriu tudo corretamente. Aproximadamente 5% dos pacientes respondem que esqueceram doses nas primeiras 24 semanas do tratamento da hepatite C e 7% nas ultimas 24 semanas do tratamento.

Tal informação é importante, pois a aderência ao tratamento é fundamental para se conseguir sucesso com a terapia.

No ensaio clínico Virahep-C foi utilizado um aparelho eletrônico que guardava os medicamentos registrava datas e horários em que era aberto para aceder aos medicamentos. Um total de 401 pacientes receberam o aparelho para controle nas primeiras 24 semanas do tratamento e 242 pacientes continuaram até a semana 48.

A perda de aderência aumenta com o avanço do tratamento. Controlados pelo aparelho ficou comprovado que nas primeiras 24 semanas 15% dos pacientes esqueceram de tomar medicamentos conforme recomendado, contra 5% que declaram não ter tomado. Nas últimas 24 semanas o resultado é anda pior, dos 7% que quando entrevistados assumiam ter esquecido doses, controlados pelo aparelho ficou comprovado que são 27% os que não cumprem as recomendações do médico.

Os pacientes mais jovens, solteiros, com menor educação ou desempregados estavam no grupo de maior risco de não tomar a aplicação semanal de interferon peguilado nas primeiras 24 semanas do tratamento. Nas últimas 24 semanas do tratamento a depressão é o principal fator para deixar de aplicar o interferon peguilado.

Em relação a ribavirina ficou comprovado que os mais jovens esquecem doses nas primeiras 24 semanas e os desempregados nas ultimas 24 semanas do tratamento.

Durante todo o tratamento os pacientes declararam que a dor de cabeça é o maior inconveniente, culpando a mesma para deixar de tomar algumas doses dos medicamentos.

MEU COMENTÁRIO

É difícil encontrar uma explicação, mas pelos resultados do estudo poderíamos suspeitar que muitos mentem descaradamente quando o médico pergunta se o paciente está levando o tratamento conforme recomendado.

E depois reclamam que o tratamento não teve efeito. Esquecem que o sacrifício e responsabilidade deles foi também o culpado pela perda do tratamento.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
AASLD 2012 - Abstract - 1751 - Is there a real difference in viral response of chronic hepatitis C between men and women? - S. Mauss; A. Stoehr; A. Baumgarten; M. Schuchmann; E. Schott; S. Papen; B. Bokemeyer; U. Alshuth; E. Zehnter; D. Hueppe.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO