001_transamin_port

Transaminases elevadas durante o tratamento da hepatite C

03/08/2009

É comum encontrar pacientes em tratamento da hepatite C que se encontram indetectáveis (negativos), mas as transaminases persistem em níveis acima do normal, situação que até o momento não encontrava explicação cientifica para tal fato, desorientando em muitos casos pacientes e médicos, já que se o vírus está indetectável não se consegue explicar porque as transaminases seguem elevadas.

Muitas são as suspeitas, as quais podem incluir que isso acontece pelos próprios medicamentos que devem ser metabolizados no fígado, ficando assim sobrecarregado na sua função, ou que, também, outras doenças ou condições podem estar afetando o fígado, não somente a hepatite C.

Pesquisadores de Taiwan acompanharam 151 pacientes em tratamento com interferon peguilado e ribavirina observando o nível das transaminases durante o tratamento de 48 semanas e nos seis meses posteriores ao final do mesmo. Exames de sangue comumente utilizados foram realizados, de função hepática e o PCR eram então comparados.

Um total de 104 pacientes (68,9%) conseguiu a resposta sustentada, considerada a cura da hepatite C. Foi observado que 52% desses pacientes apresentaram níveis de transaminases persistentemente elevados durante o tratamento, apesar de que eles se encontravam indetectáveis no PCR. Entre os 104 pacientes curados, 27 pacientes (26%), as duas transaminases (AST-TGO e ALT-TGP) se apresentavam em níveis persistentemente elevados e 17 pacientes (16,3%) somente a transaminase AST-TGO se manteve elevada.

Curiosamente todos esses 44 pacientes normalizaram os níveis de transaminases entre dois e três meses após o final do tratamento.

O fator que diferenciava esses pacientes em relação aos que durante o tratamento apresentavam transaminases nos níveis normais foi o grau elevado de fibrose ou a presença da cirrose.

Concluem os pesquisadores que aproximadamente 42% dos pacientes tratados com interferon peguilado e ribavirina que conseguem a cura da hepatite C somente conseguem normalizar os níveis de transaminases (resposta bioquímica) após o final do tratamento. Não foi encontrado que as transaminases elevadas durante o tratamento sejam um efeito colateral dos medicamentos, se atribuindo isso a um elevado grau de fibrose ou a cirroses.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Hepatogastroenterology. 2009 May-Jun;56(91-92):798-801 - Persistent transaminase elevations in chronic hepatitis C patients with virological response during peginterferon and ribavirin therapy. - Su WP, Peng CY, Lai HC, Liao KF, Huang WH, Chuang PH, Chen CB, Jeng LB. - Division of Hepatogastroenterology, Department of Internal Medicine, China Medical University Hospital, Taichung, Taiwan.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO