009_transmis_port

A transmissão sexual é um modo importante de transmissão da hepatite C?

22/07/2010

Acaba de ser publicado no Hepatology um estudo do CDC - Centro de Controle de Doenças e Prevenção, órgão do governo dos Estados Unidos, um estudo com recomendações sobre a forma correta de informar sobre a transmissão sexual da hepatite C.

A opinião médica varia de forma considerável em relação à transmissão sexual do vírus da hepatite C. O Centers for Disease Control and Prevention - CDC analisou 80 estudos publicados na literatura cientifica sobre evidencias a favor ou contra a transmissão sexual.

O resultado mostra que na relação heterossexual regular de um casal estável não existe maior risco da transmissão sexual da hepatite C. O risco de infecção pode aumentar em pessoas com múltiplos parceiros, porém esta associação pode estar afetada pelo fato de nesse grupo existir uma maior probabilidade de utilização de drogas injetáveis, o que dificulta atribuir a maior incidência somente ao número de parceiros sexuais.

Aparentemente os estudos mostram que existe maior possibilidade de transmissão sexual para as mulheres co-infectadas com HIV/AIDS ou outras infecções de transmissão sexual e, especialmente a incidência da hepatite C e mais alta entre os homens homossexuais infectados com HIV/AIDS que mantém relações sexuais entre eles que entre os homossexuais não infectados com HIV/AIDS.

Os homens homossexuais infectados com HIV/AIDS aumentam o risco de transmissão devido a praticas sexuais que levam ao traumatismo da mucosa, o que pode acontecer com múltiplos parceiros, utilização de brinquedos sexuais e a pratica do fisting (fisting é uma prática sexual que envolve a inserção da mão ou antebraço no ânus) e a presença de doenças ulcerosas genitais.

Conclui a publicação com a recomendação de que a divulgação de informações sobre a transmissão sexual da hepatite C deveria ser cuidadosa para não distrair ou confundir a população, devendo fornecer orientações corretas em função das evidencias cientificas e, não simplesmente dar orientações alarmistas. Alertam ainda que os gestores da saúde devam prestar especial atenção a transmissão sexual da hepatite C entre os indivíduos infectados com HIV/AIDS, mas sem generalizar a recomendação para a população em geral.

MEU COMENTÁRIO:

As recomendações do governo dos Estados Unidos realizadas pelo seu organismo, o CDC - Centers for Disease Control and Prevention, são de fundamental importância, pois em vários países, inclusive no Brasil, os próprios responsáveis pelo programas de combate a hepatites muitas vezes contribuem a divulgar informações equivocadas em relação à transmissão sexual da hepatite C.

Casualmente neste momento o Programa Nacional de DST/AIDS/Hepatites do Ministério da Saúde está preparando uma nova pagina na internet. Para evitar erros solicitou as ONGs para fazer uma leitura objetivando encontrar erros e realizar sugestões. Alertamos o Programa Nacional no último dia 18 que as informações sobre prevenção da hepatite C estão totalmente erradas.

Na prevenção da transmissão da hepatite C colocam que "evitar a doença é muito fácil. Basta usar camisinha em todas as relações sexuais" e, ainda, informam que o preservativo está disponível na rede pública de saúde. Colocam ainda que entre as principais causas de transmissão esta a pratica de sexo sem camisinha com uma pessoa infectada.

Em desacordo com o conhecimento cientifico mundial e com o CDC, a interpretação da transmissão sexual da hepatite C pelo Programa Nacional de DST/AIDS/Hepatites mostra claramente que todas as informações estão sendo elboradas como se toda a população brasileira estivesse infectada com HIV/AIDS, generalizando uma forma de transmissão que acontece nesse grupo de pessoas e, esquecendo informar corretamente o restante da população, criando com isso estigma em relação à hepatite C e discriminação na população mono infectada com a doença.

É necessário abrir a discussão antes de divulgar informações incorretas para evitar erros que podem ser irreparáveis. O Programa Nacional de DST/AIDS/Hepatites atuou corretamente ao solicitar o auxilio das ONGs, as quais esperam que as sugestões e correções sejam apreciadas e aceitas, evitando não somente colocar informações incorretas na página da internet como em todo e qualquer material de divulgação a ser elaborado.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Is sexual contact a major mode of hepatitis C virus transmission? - Tohme RA, Holmberg SD - Division of Viral Hepatitis, National Center for HIV/AIDS, Viral Hepatitis, STD, and TB Prevention, Atlanta, GA. - Centers for Disease Control and Prevention - CDC - Hepatology. 2010 Jun 16.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO