012_transmis_port

Comprovam que o vírus da hepatite C não se transmitiria por via sexual

14/03/2005

Um estudo canadense realizado entre homens que mantêm relações homossexuais não demonstrou nenhum caso de transmissão sexual do vírus da hepatite C, pelo que, de existir este mecanismo de contágio, considera-se extraordinariamente raro.

A literatura medica cita alguns casos esporádicos de transmissão sexual da hepatite C, mas todos os estudos epidemiológicos realizados fracassaram na hora de demonstrar que dito vírus possa ser transmitido por relações sexuais.

Alguns pesquisadores afirmam que os estudos realizados não incorporavam um número suficientemente grande de pacientes, pelo que as conclusões não podiam ser definitivas. O estudo "Omega", realizado em Montreal entre homens homossexuais, incluiu 1.085 participantes aos que se fez uma sorologia de hepatite C e foram entrevistados sobre os hábitos sexuais, além de valorar-se outros possíveis modos de contágio. Os resultados foram publicados na revista "American Journal of Public Health". Foram encontrados 32 casos de hepatite C, o que mostrou uma incidência de 2,9% no grupo dos indivíduos participantes do estudo. 31 destes pacientes já estavam infectados no inicio da pesquisa e somente uma nova infecção aconteceu durante a realização do estudo.

Os fatores que se associaram a maior risco de ter hepatite C foram o consumo de droga injetável, sobre tudo quando o consumo era ativo no momento do estudo, e o de ter compartilhado seringas. Dos 85 participantes que consumiam drogas, 32,9% tinham o vírus da hepatite C, comparados com apenas três dos não consumidores (0,3%).

Todos os participantes responderam uma pesquisa em que se lhes perguntava quantos parceiros regulares tinham, se praticavam sexo anal e se usavam preservativo, assim como suas práticas sexuais esporádicas. Mais de 50% dos participantes tinha relações sem o uso de camisinha e 40% confessaram ter tido mais de 50 parceiros esporádicos.

Entretanto, nenhum destes fatores de risco se associou a maior possibilidade de infecção pelo vírus da hepatite C.

Fonte:
March 2005, Vol 95, No. 3 | American Journal of Public Health 502-505
Michel Alary, MD, PhD, Jean R. Joly, MD, FRCPC, MSPH, MBA, Jean Vincelette, MD, MSc, FRCPC, René Lavoie, BA, Bruno Turmel, MD and Robert S. Remis, MD, MPH, FRCPC


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO