001_transpl_port

A demanda de transplantes de fígado por culpa da hepatite C vai diminuir - A notícia é boa ou é ruim?

13/05/2013

Artigo publicado na revista "Liver Transplantation" parece a primeira vista ser uma excelente noticia, mas o motivo pelo qual a demanda por transplantes de fígado ocasionados pela hepatite C vai diminuir é trágica, muito ruim, uma verdadeira vergonha para os sistemas de saúde.

Começam os autores com a comprovação que a infecção com a hepatite C é a causa mais comum de doença hepática que exige a realização de transplantes de fígado. Conforme a publicação, de forma otimista, entre 10% e 20% dos infectados desenvolverão cirrose e até 5% estarão desenvolvendo câncer de fígado. Outra evidencia da analise mostra que entre os cirróticos até 47% poderão chegar a desenvolver o câncer no fígado.

Estudos mostram que o pico das infecções por hepatite C é maior entre os nascidos entre os anos de 1940 e 1965, que tinham entre 20 e 30 anos de idade quando o risco de infecção era mais elevado. Como a população envelhece diversos estudos mostram que pela evolução natural da doença o pico de pacientes com cirrose começou a acontecer no ano 2000 e continuará até o ano 2030.

As previsões das complicações da hepatite C impulsionaram ao autores a realizar a pesquisa para determinar a tendência na demanda de transplantes de fígado, identificando todos os adultos candidatos a transplante dos Estados Unidos que foram registrados no sistema entre os anos de 1995 e 2010. Os pacientes foram classificados em dois grupos, os infectados com hepatite C e os que necessitavam do transplante por outras causas.

Os resultados mostram que os infectados com hepatite C que com maior freqüência eram encaminhados ao transplante se situavam, em ordem decrescente, nos grupos das faixas de idade entre os nascidos entre 1951-1955, 1956-1960, 1946-1950 e 1941-1945. Estes quatro grupos de natalidade representam 81% de todos os novos inscritos para transplante de fígado por causa da hepatite C nos últimos 15 anos.

Além disso, os resultados indicam que, entre 2000 e 2010 houve um aumento de quatro vezes em novos candidatos a transplante com hepatite C e câncer de fígado nos grupos dos nascidos entre os anos de 1941-1960. Os autores estimam com os resultados que nos próximos anos aumentará a necessidade de transplantes para pacientes com mais de 60 anos de idade e câncer de fígado ocasionado pela hepatite C.

Concluem os autores que ao longo da próxima década com o envelhecimento das pessoas infectadas com hepatite C que necessitem de um novo fígado terá idade superior aos 60 anos e muitos estarão com câncer de fígado e, como consequência muitos desses pacientes não estarão suficientemente saudáveis para poder se submeter ao transplante, motivo que ocasionará uma diminuição na procura por transplantes ocasionados pela hepatite C.

MEU COMENTÁRIO

Parece cômico se não fosse trágico, mas a falta de campanhas de informação, de diagnostico, a falta da oferta de tratamentos e o fato de querer esconder a hepatite C abaixo do cobertor dos programas de AIDS está levando um grande número dos infectados com hepatite C a um trágico fim, a uma morte anunciada, quando nem sequer com um transplante de fígado será possível poder sobreviver.

Admitir que os transplantes de fígado irão diminuir porque os pacientes já não possuem condições de saúde para se submeter a cirurgia, tendo chegado a tal situação por falta de ações da saúde publica, é um tapa na cara nos responsáveis pelo enfrentamento da epidemia de hepatite C que somente realizaram promessas e mais promessas mas não conseguiram mostrar resultados, condenando dessa forma milhares de infectados a morte.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
- Projected future increase in aging hepatitis C virus-infected liver transplant candidates: A potential effect of hepatocellular carcinoma - Scott W. Biggins1, Kiran M. Bambha,Norah A. Terrault, John Inadomi,Stephen Shiboski, Jennifer L. Dodge,Jane Gralla, Hugo R. Rosen, John P. Robert - Liver Transplantation - Volume 18, Issue 12, pages 1471-1478, December 2012
- O estudo foi financiado pelo Centro Nacional de Pesquisa de Recursos, o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais, e da Agência de Investigação de Saúde e Qualidade dos Estados Unidos.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO