002_transpl_port

AASLD 2012 - Primeiros dados dos tratamentos com inibidores de proteases em transplantados de fígado

26/11/2012

É normal que pacientes transplantados de fígado por causa da hepatite C tenham o novo órgão atacado pelo vírus. As primeiras experiência da utilização dos inibidores de proteases boceprevir e telaprevir começam a ser divulgadas.

Uma delas realizada na Clínica Mayo dos Estados Unidos utilizou o boceprevir e durante o AASLD 2012 foram apresentados dados prévios de como se encontravam 23 pacientes infectados com o genótipo 1 que estavam recebendo o tratamento com boceprevir, interferon peguilado e ribavirina utilizando um rigoroso protocolo de tratamento.

Todos os pacientes recebiam imunossupressão com ciclosporina e a dosagem antes de iniciar o tratamento foi reduzida a metade. As primeiras quatro semanas o tratamento consiste em interferon peguilado e ribavirina (lead-in) e a partir da semana cinco passa a ser administrado conjuntamente o boceprevir. Os dados apresentados são referentes a pacientes tratados entre junho de 2011 e abril de 2012, muitos deles ainda em tratamento.

A resposta virológica rápida foi obtida por 10 pacientes (43%) e quatro deles que já se encontram na semana 24 do tratamento permanecem indetectáveis. Seis pacientes (26%) interromperam o tratamento por não apresentar diminuição suficiente da carga viral. O tratamento foi interrompido em quatro pacientes (17%) por causa de efeitos adversos. Todos os pacientes necessitaram administração de fatores de crescimento.

Concluem os pesquisadores que o tratamento em transplantados de fígado utilizando boceprevir requer uma monitorização clínica estrita dos pacientes em tratamento em relação aos efeitos adversos e a dosagem da ciclosporina. O tratamento ainda continua e novos dados deverão ser apresentados no próximo ano.

Em outra experiencia, realizada na Baylor University Medical Center dos Estados Unidos, os médicos utilizaram o telaprevir em combinação com interferon peguilado e ribavirina em 12 pacientes transplantados de fígado infectados com o genótipo 1 da hepatite C.

Cinco pacientes recebiam como primeiro tratamento após o transplante e sete deles já tinham fracassado a uma tentativa de tratamento com interferon peguilado e ribavirina. Todos eles receberam nas primeiras quatro semanas somente interferon peguilado e ribavirina (em dosagem média de 600 mg/dia) e a partir da semana cinco foi introduzido o telaprevir por um período de 12 semanas administrado a cada 12 horas em dosagem de 1.125 mg..

Quatro pacientes recebiam o imunossupressor sirolimus, cinco o tracolimus e três a ciclosporina. Sete ainda se encontravam em terapia dupla com micofenolato mofetil. A imunossupressão teve que ser dramaticamente reduzida em todos os pacientes.

Sete pacientes (58%) obtiveram a resposta rápida se encontrando indetectáveis na semana 8 (quatro da terapia tripla). Nove pacientes dos 9 que completaram 12 semanas de telaprevir apresentavam resposta virológica na semana 12. Cinco dos cinco que se encontravam com 24 semanas de tratamento se encontravam indetectáveis e dois dos três que já completaram totalmente o tratamento terminaram indetectáveis. Todos os pacientes toleraram os medicamentos e as interações medicamentosas são controláveis.

Concluem os autores que a terapia tripla com telaprevir após um lead-in de quatro semanas é segura e alcançou uma resposta virológica de 100% (dados sobre a resposta sustentada são aguardados para 2013), no entanto as interações medicamentosas exigem acompanhamento rigoroso e somente deve ser utilizado o telaprevir em pacientes transplantados que apresentem uma boa função renal.

MEU COMENTÁRIO

A utilização do telaprevir e do boceprevir em pacientes transplantados de fígado somente deve ser realizada por equipes medicas experientes e sempre em conjunto com as equipes transplantadoras. Os dados disponíveis por enquanto são preliminares, por tanto, todas as precauções e cuidados são necessários.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base as seguintes fontes:
- AASLD 2012 - Abstract 706 - Multicenter Preliminary Experience Utilizing Boceprevir with Pegylated Interferon and Ribavirin for Treatment of Recurrent Hepatitis C Genotype 1 after Liver Transplantation - B. Aqel; L. Koning; M. Charlton; E. J. Carey; T. J. Byrne; J. Rakela; H. E. Vargas. (Mayo Clinic, Phoenix, AZ, and Rochester, MN, United States)
- AASLD 2012 - Abstract 707 - 100% cEVR Post-Liver Transplant with Telaprevir Triple Drug Therapy - J. G. O'Leary; G. J. McKenna; G. Klintmalm; G. L. Davis. (Baylor University Medical Center, Dallas, TX, United States)


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO