016_alternat_port

Tratamentos alternativos nas hepatites B e C

27/07/2009

Para o tratamento medicamentoso da hepatite C somente existe o interferon peguilado combinado com a ribavirina com o qual se consegue a cura de aproximadamente 60% dos infectados (considerando os três principais genótipos), motivo pelo qual todos aqueles que não conseguem a cura ficam ansiosos e muitos procuram tratamentos alternativos. Já para hepatite B ainda não se pode falar em "cura" e sim em "controle", sendo esse um agravante na parte psicológica dos infectados.

Pelos motivos acima muitos procuram tratamentos alternativos, sendo necessário esclarecer que:

- Nenhuma terapia ou tratamento alternativo comprovou ser efetiva na cura das hepatites B ou C, não existindo comprovação de casos que tenham conseguido sucesso;

- É importante que nenhum paciente troque o tratamento com medicamentos por tratamentos ou terapias alternativas;

- Se o portador de hepatite B ou C faz uso de qualquer terapia ou tratamento alternativo deve sempre comunicar isso a seu médico, pois algumas ervas, vitaminas ou suplementos podem criar sinergia com os medicamentos utilizados durante o tratamento.


O número de produtos alternativos anunciados na Internet não para de crescer, alguns prometendo verdadeiros milagres, o que leva indivíduos de doenças crônicas a tentar tudo aquilo que é apresentado como a solução mágica. Pesquisa realizada com 1.145 participantes do estudo HALT-C (Hepatitis C Antiviral Long-Term Treatment Against Cirrhosis) verificou que 23% dos pacientes utilizavam também algum tipo de ervas, sendo a Sylimarina a mais utilizada entre os participantes do estudo.

O NIH recomendou em 2002 que fossem realizados estudos científicos para comprovar se algum tratamento alternativo poderia conseguir beneficio para os pacientes. A literatura cientifica em diversos ensaios clínicos não encontrou evidencias suficentes para sustentar qualquer recomendação em relação ao tratamento das hepatites b e c por métodos alternativos.

Entre as ervas mais utilizadas pelos portadores de hepatite B e C se encontram as seguintes:

Atenção: Qualquer tratamento com ervas somente faz efeito se seguido por um período médio de três meses. Após esse período, é aconselhável parar por algum tempo, permitindo ao seu organismo eliminar qualquer resíduo que tenha se acumulado no fígado, evitando-se assim um efeito tóxico e nocivo.

Se observar sintomas como dermatites, diarréia, dor de cabeça, tonturas ou inflamação do fígado, isto indica que a dosagem está muito elevada ou que você pode ser alérgico a esta planta. Interrompa imediatamente o tratamento ou diminua a dosagem.

Os tratamentos alternativos à base de ervas são importantes coadjuvantes e excelentes hepatoprotetores ou antioxidantes, porém nunca deve ser abandonado o tratamento médico para se realizar um tratamento alternativo. Faça-os conjuntamente, um auxiliando ao outro, sempre consultando o seu médico. Cuidado: certas ervas podem ser tóxicas para seu fígado, prejudicando-o ainda mais. Se, após tomar alguma erva, sentir dor de cabeça, sonolência ou qualquer reação, interrompa imediatamente a ingestão e consulte novamente o seu médico.


Cardo Mariano - Silymarina - Milk Thistle
(Silymarina)(Silybum Marianum)(Leberschutz)


O famoso milk thistle é provavelmente a melhor das ervas para o tratamento do fígado. É recomendada como tratamento complementar nos casos de cirroses, esteatoses, colesteases e hepatite.

A silymarina refere-se ao extrato das sementes do cardo mariano. Usado há mais de 2 000 anos, foi largamente empregado na Idade Média para tratamento do fígado. O ingrediente ativo atua como um potente hepatoprotetor e antioxidante e promove o nascimento de novas células hepáticas. O cardo mariano pode ajudar a proteger e sarar o fígado, nos danos causados pelo álcool, drogas, produtos químicos ou medicamentosos, venenos ou hepatites, atuando como hepatoprotetor na recuperação das células hepáticas, possuindo excelentes propriedades antioxidantes.

É muito usado na Europa, principalmente na Alemanha, onde existem centenas de estudos científicos comprovando o seu efeito benéfico. Ganhou comprovação científica também no tratamento dos danos causados pelo álcool, drogas, medicamentos, venenos e agrotóxicos e está sendo amplamente estudado no tratamento da hepatite, da esteatose e da cirrose.

A dosagem recomendada é de 300 a 600 miligramas, por dia, de extrato que no mínimo contenha 80% de principio ativo. Ingerir de preferência junto com alimentos. Não possui efeitos colaterais e não reage com outros medicamentos.

Reduz o colesterol biliar (gordura depositada no fígado, chamada de esteatose). Encontra-se à venda em farmácias e nas lojas de vitaminas importadas. Na farmácia, procure pelos seguintes nomes: Silimalon ou Legalon, Milk Thistle ou Leberschutz, se não encontrar e dispuser da planta, jogue uma colher de sobremesa da flor seca em uma xícara de água quente e aguarde dez minutos antes de beber.

Chá verde

Excelente antioxidante para reduzir a produção de radicais livres.

Cogumelos reishi, shitake e cogumelo do sol

Na medicina chinesa estes cogumelos são chamados de Fu Shen e possuem o poder de aumentar as defesas imunológicas e da produção do Interferon natural. Também regula a pressão arterial, limpa o sangue, estimula o funcionamento do fígado e ajuda a combater o stress. Recomenda-se fazer um chá com 3 a 5 gramas de cogumelos por dia.

Equinacia - (Echinacia Púrpura)

Estimulante do sistema imunológico, aumenta a capacidade do Interferon natural produzido pelo organismo. Excelente para tratar a neuropatia (pernas pesadas). Excelente coadjuvante no tratamento das infecções por vírus, bactérias e fungos. Interfere na replicação dos vírus dificultando a sua reprodução. Mostrou-se eficiente para restaurar o sistema imunológico de pacientes submetidos à quimioterapia. Estimula a secreção salivar pelo que é indicada na sensação de boca seca. Durante a gravidez e lactação, seu uso exige estrito controle médico. Encontra-se em cápsulas nas farmácias.

Ginseng

Estimula a atividade das células T e a produção do Interferon natural.

Suco de limão

Excelente depurador para o fígado. Não pode ser usado em excesso se a pessoa sofrer de problemas gástricos ou se tiver cirrose.

Homeopatia

Não existem registros que prescrevam o tratamento homeopático. Porém, todas as formulações usadas para fortalecer o organismo e o sistema imunológico são válidas. Estudos mostram que é possível sentir menos efeitos colaterais dos medicamentos com o uso da homeopatia.

Acupuntura

Não pode atacar diretamente um vírus, porém pode ser um estimulante para fortalecer o organismo como um todo. Esta comprovado que a acupuntura beneficia o sistema orgânico como um todo.

Tratamentos espirituais

A crença em qualquer religião é altamente importante e já está provado em estudos feitos por universidades americanas que as pessoas com crenças espirituais mais sólidas reagem muito melhor a qualquer doença e seu tratamento. A fé e a oração tem um poder imenso na ativação do sistema de defesa do organismo.

Pensamento positivo

É muito importante para se conseguir a cura de qualquer doença. Pense sempre positivo e decidido a curar-se. Encare cada novo dia com otimismo, sem ansiedade, e se possível tente não se estressar. Está provado que o stress prejudica o sistema imunológico. Não se deprima, lute. Você possui muitas chances de ganhar esta luta .

Exercícios físicos

São muito importantes para manter um bom estado físico, porém não ultrapasse a capacidade física do seu corpo. O exercício em excesso aumenta o stress e sobrecarrega o organismo. Os exercícios aeróbicos, como caminhar, andar de bicicleta ou a natação são ótimas opções para melhorar o estado físico do organismo, melhorar a circulação e a oxigenação do sangue.

Ativadores naturais do Interferon natural no organismo

O Interferon é uma substância produzida pelas células brancas do corpo e que luta contra infecções, câncer, alergias e envenenamento por substâncias químicas ou tóxicas.

Pode ser produzido artificialmente para ser injetado, no combate a alguns tipos de câncer e infecções por vírus, como na hepatite C.

Estudos indicam que muitas substâncias naturais podem ativar a própria produção, no corpo, do Interferon. Os mais conhecidos ativadores ou potencializadores de Interferon naturais são:

Astragalus - uma erva chinesa que aumenta a reação dos anticorpos a invasores estranhos de todo tipo, inclusive o câncer.

Boneset -uma erva anti-séptica, encontrada na América, com propriedades antivirais, usada para o tratamento de resfriados e gripes, tosses, febres, indigestão e dor.

Clorofila - um pigmento das plantas que pode ser achado em uma longa lista de legumes verdes e algas.

Coenzyme Q10 - um antioxidante que atua em toda a cadeia de transporte de energia no corpo. O coenzymeQ10 ajuda a reduzir o risco de infecção nas células T.

Echinacea - a erva mais popular na América do Norte, usada como tratamento para dores de dente, mordidas ou picadas de insetos, alergias e todos os tipos de infecções.

Ginkgo - um antioxidante do sistema nervoso central, potente para o tratamento de desordens de circulação, problemas de memória, pressão alta, depressão e desordens do sistema imunológico.

Alcaçuz - uma erva antiinflamatória e antialérgica, trata infecções da área respiratória como também desordens femininas, úlceras e insuficiência renal.

Melatonina - um hormônio produzido pela glândula pineal, atua como antioxidante no sistema imune ativando as suas propriedades.

Cardo mariano (silymarina) - uma erva recomendada comumente como um limpador e restaurador do fígado, e indicada como tratamento médico complementar para hepatites.

Cogumelos medicinais - reishi, maitake, shiitake, kombucha e outros estimulam muitos aspectos do sistema imunológico, inclusive a produção de Interferon.

Ginseng siberiano - estimula as células T, a energia e a libido. Vitamina C, bioflavonóides, especialmente o extrato de semente de uva, hesperidina, ácido lipóico e ácido ômega 3 são poderosos antioxidantes.

Esta lista mostra alguns dos potencializadores do Interferon naturais mais populares, disponíveis em farmácias, de forma isolada, ou em combinação com outras substâncias. Para mais informações sobre como impulsionar a imunidade natural de seu organismo, consulte o seu médico.

Nunca tome nenhum produto sem uma prévia consulta a seu médico. Se, ao ingerir qualquer produto, você sentir que ele caiu pesado provocando alguma dor de cabeça ou sensação de cansaço, pare imediatamente de usá-lo. O mesmo produto que pode ser benéfico para uma pessoa pode ser tóxico para outra. A cada três meses pare de tomar a erva por pelo menos trinta dias, assim vai evitar o acumulo no organismo e não causar efeitos tóxicos.

Vitaminas

Cuidado com as vitaminas oleosas tipo A ou E e algumas B em altas dosagem, pois elas se acumulam no fígado, dificultando o seu funcionamento e formando depósitos gordurosos que irão aumentar a inflamação e as transaminases, agravando o problema. Cuidado, também, com os complexos ou suplementos de multivitaminas e minerais, pois contêm altas concentrações de ferro na sua composição. O ferro alimenta os vírus e deposita-se no fígado.

As vitaminas contidas nos alimentos sobrecarregam muito pouco o fígado pois são mais facilmente metabolizadas. Sempre de preferência a uma boa alimentação, rica e variada, que supra as necessidades vitaminicas, assim, não vai precisar ingerir vitaminas em cápsulas.

Vitamina A

É a vitamina mais perigosa para o fígado, junto com o excesso de vitamina E. É de difícil metabolização pelo fígado, acumulando-se gradativamente e resultando em um excesso de vitamina, chegando a comprometer o fígado. Em inúmeros casos, resulta em dano hepático.

Muito cuidado com os complementos multivitamínicos. Geralmente, a quantidade de vitaminas A e E é muito superior à dosagem diária recomendada para o organismo.

Vitamina E

Excelente antioxidante, ajuda a reduzir a inflamação dos órgãos do corpo, inclusive do fígado, ao eliminar os radicais livres, podendo, assim, obter a redução das transaminases. A dosagem não pode ultrapassar 400 UI por dia, pois, por ser oleosa, tende a se acumular no fígado, e o seu excesso terá um efeito tóxico nocivo. A melhor dosagem comprovada e de somente 200 UI por dia.

Vitamina C

É um poderoso agente antiviral. O prêmio Nobel de medicina, Dr. Linus Pauling, recomenda um mínimo de 10 gramas de vitamina C por dia para qualquer pessoa. Nesta dosagem, pode causar diarréia, que cessa ao interromper-se a ingestão. Tenha cuidado: tomar acima de dois gramas por dia pode aumentar a quantidade de ferro no fígado, que representa um perigo, principalmente nos casos de cirrose e nos pacientes com hepatite C em tratamento com Interferon, inibindo a ação deste. Consulte o seu médico.

Ferro

Não tome nenhum suplemento que contenha ferro. Uma das características da hepatite C é a acumulação de ferro no fígado e está comprovado que os vírus se alimentam deste ferro.

Muito cuidado com os complementos multivitamínicos e minerais. Geralmente, a quantidade de ferro é muito superior à dosagem diária recomenda para o organismo.

O ferro contido nos alimentos e mais fácil de metabolizar e ser eliminado do organismo. É necessária a ingestão de ferro pelo organismo para manter funcionando músculos, tecidos e órgãos.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO