028_trat_med_port

Interações medicamentosas com os novos tratamentos da hepatite C

20/02/2015

Os novos medicamentos orais livres de interferon para tratamento da hepatite C são uma verdadeira revolução e oferecem para todos os infectados altas possibilidades de cura da infecção, mas por serem medicamentos novos, todos eles aprovados em regime de urgência por serem inovadores, somente agora ao chegar ao mercado e quando milhares de infectados passam a ser tratados é que se descobrem as interações medicamentosas que podem acontecer.

Interações medicamentosas podem ser observadas em pacientes que tomam outros medicamentos, quando então os medicamentos para tratamento da hepatite C podem potencializar ou diminuir os medicamentos que o paciente está tomando para controlar outras doenças. Um fator importante que deve ser observado pelos médicos ao receitar este ou aquele medicamento.

Não se pode ignorar que muitos infectados com hepatite C são pessoas adultas, algumas idosas e, que fazem uso de medicamentos para controlar doenças crônicas.

O conhecimento das interações medicamentosas pode permitir maximizar a eficácia dos tratamentos e evitar toxicidades.

Uma revisão inicial publicada na revista "Expert Opinion on Drug Metabolism & Toxicology" fornece os primeiros dados sobre a farmacocinética e farmacodinâmica mais significativamente observados nos novos medicamentos na hepatite C.

Sofosvubir e ledipasvir são relativamente livres de interações significativas.

Daclatasvir, não entanto o uso concomitante com outros análogos, por exemplo no tratamento de outros agentes infecciosos ou do câncer, pode causar interações medicamentosas. Interações medicamentosas com o daclatasvir são em geral moderadas e podem ser controladas com ajustes das dosagens dos medicamentos.

O ritonavir, um dos componentes do medicamento da Abbvie é o que apresenta maiores interações medicamentosas atuando através da indução ou inibição do citocromo P450, levando a exposição à droga a valores anormais, especialmente quando empregado com os inibidores da polimerase. Afortunadamente o ritonavir é um medicamento utilizado no tratamento da AIDS e bastante conhecido dos médicos.

O antibiótico rifampicina e a erva de São João (Hipérico) não devem ser utilizados ao receber qualquer um dos novos tratamentos para hepatite C.

MEU COMENTÁRIO

Fica aqui o alerta para os pacientes. Devem ter cuidado quando forem tratados com os novos medicamentos. É muito importante informar ao médico absolutamente todos os medicamentos, suplementos e vitaminas que estiverem fazendo uso, inclusive ervas e produtos naturais.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Drug interactions with new hepatitis C oral drugs. - Soriano V, Labarga P, Barreiro P, Fernandez-Montero JV, de Mendoza C, Esposito I, Benítez-Gutiérrez L, Peña JM.- Expert Opin Drug Metab Toxicol. 2015 Jan 2:1-9.


Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO